Audioteca | COMPORTAMENTO

Psicólogos discutem "amores psicopatas" no Programa Comportamento


Na psicologia, psicopatas não têm sentimentos e não são capazes de amar. Os profissionais discutiram o caso Ariadne Wojcik

Publicado em 14/11/2016, às 11:59


Rádio Jornal
A jovem Ariadne Wojcik postou uma nota de suicídio no Facebook e foi encontrada morta no Mato Grosso
Foto: Facebook

A morte da jovem Ariadne Wojcik, 25 anos, estudante de Direito da Universidade de Brasília, causou comoção nas redes sociais após postar uma carta no Facebook, denunciando assédio por parte de um superior no escritório de advocacia onde trabalhava. No conteúdo do post, ela diz que era perseguida pelo professor e chefe e que não aguentou ser perseguida por um homem psicopata. Sobre os supostos "amores psicopatas", a comunicadora Clarissa Siqueia entrevistou os psicólogos Sylvio Ferreira e Carlan Pacheco, no programa Comportamento desse domingo (13).

Para Sylvio Ferreira, psicopatas não amam. Ele explica que o que que um psicopata sente por alguém é, na verdade, uma necessidade. "É muito diferente da capacidade afetiva. Eles põem alguém em suas vidas na dimensão de um objeto, com o propósito de fazer com que esse objeto seja da sua vontade. Ele tolhe dessa pessoa a possibilidade dela se construir na relação como sujeito, com vontade própria. É como se, para ele, cabesse à pessoa obedecer e se comportar de acordo com seus parâmetros", disse. Ou seja, a preocupação do psicopata é da ordem de dominação.

De acordo com Carlan Pacheco, a ideia de psicopatia da ficção não é a mais acurada. Ele diz que é improvável que um psicopata seja identificado imediatamente, aos primeiros contatos, e que cruzamos com psicopatas no cotidiano. "Eles se utilizam de estratégias comportamentais que fazem que não seja fácil de identificarmos. Ele não tem sentimentos, mas consegue fingí-los. Eles descobrem coisas sobre as pessoas e utilizam".

COMPORTAMENTO

Ouça abaixo o programa Comportamento na íntegra:

Audioteca

Psicólogos discutem "amores psicopatas" no Programa Comportamento



Publicado em 14/11/2016, às 11:59


Rádio Jornal
A jovem Ariadne Wojcik postou uma nota de suicídio no Facebook e foi encontrada morta no Mato Grosso
Foto: Facebook

A morte da jovem Ariadne Wojcik, 25 anos, estudante de Direito da Universidade de Brasília, causou comoção nas redes sociais após postar uma carta no Facebook, denunciando assédio por parte de um superior no escritório de advocacia onde trabalhava. No conteúdo do post, ela diz que era perseguida pelo professor e chefe e que não aguentou ser perseguida por um homem psicopata. Sobre os supostos "amores psicopatas", a comunicadora Clarissa Siqueia entrevistou os psicólogos Sylvio Ferreira e Carlan Pacheco, no programa Comportamento desse domingo (13).

Para Sylvio Ferreira, psicopatas não amam. Ele explica que o que que um psicopata sente por alguém é, na verdade, uma necessidade. "É muito diferente da capacidade afetiva. Eles põem alguém em suas vidas na dimensão de um objeto, com o propósito de fazer com que esse objeto seja da sua vontade. Ele tolhe dessa pessoa a possibilidade dela se construir na relação como sujeito, com vontade própria. É como se, para ele, cabesse à pessoa obedecer e se comportar de acordo com seus parâmetros", disse. Ou seja, a preocupação do psicopata é da ordem de dominação.

De acordo com Carlan Pacheco, a ideia de psicopatia da ficção não é a mais acurada. Ele diz que é improvável que um psicopata seja identificado imediatamente, aos primeiros contatos, e que cruzamos com psicopatas no cotidiano. "Eles se utilizam de estratégias comportamentais que fazem que não seja fácil de identificarmos. Ele não tem sentimentos, mas consegue fingí-los. Eles descobrem coisas sobre as pessoas e utilizam".

COMPORTAMENTO

Ouça abaixo o programa Comportamento na íntegra:

[uolmais_audio 16058062]

[uolmais_audio 16058066]

[uolmais_audio 16058055]

[uolmais_audio 16058061]

[uolmais_audio 16058060]