Audioteca | AUDIÊNCIA MARCADA

Advogado diz que o déficit da Previdência é incompetência do Governo


O tema do Audiência Marcada desta sexta-feira (17) foi a Reforma da Previdência

Publicado em 17/03/2017, às 19:20


Rádio Jornal

Foto: Reprodução / Internet

A Reforma da Previdência entrou na roda de discussões do Audiência Marcada desta sexta-feira (17). A questão dividiu opiniões entre os advogados João Bosco de Albuquerque e Paulo Perazzo. O programa foi mediado pelo comunicador Ednaldo Santos e contou com a presença do editor de Política do Jornal do Commercio, Gilvan Oliveira.

Na opinião de João Bosco Albuquerque o problema da Previdência Social é um caso de incompetência do Governo. Segundo ele, o poder público administra mal o dinheiro da aposentadoria e desvia os recursos para outras questões. “O Governo não combate a corrupção”, desabafou.

Paulo Perazzo explicou que a reforma é uma questão de Estado independente do governante. “É preciso se pensar o Estado que queremos a curto, médio e longo prazo”, afirmou. Segundo ele, existem duas soluções para o déficit na Previdência. Uma seria o aumento da carga tributária. A outra saída envolveria o endurecimento das regras da aposentadoria.

150

Ouça aqui na íntegra o programa:

Já João Bosco Albuquerque contestou as posições de Perazzo e enfatizou que é preciso se criar outra alternativa. “Deve existir uma terceira via. É preciso cortar privilégios para não punir a maior parte da população que recebe benefícios sociais. Paulo está engolindo a propaganda do Governo Federal”, disparou.

Apesar de concordar que a reforma é necessária, João Bosco Albuquerque revela que fica com um pé atrás com um presidente que diz que não vai tirar o direito adquirido de ninguém. “Mas quem ainda não adquiriu o direito fica num contexto delicado”, apontou. Ele defende que o assunto necessita de um amplo debate com a participação da sociedade. “Deve haver mudança, mas não a que está aí posta”.

O advogado Paulo Perazzo disse no programa que uma reforma apenas com os servidores federais já resolveria 70% dos problemas da Previdência.

Audioteca

Advogado diz que o déficit da Previdência é incompetência do Governo



Publicado em 17/03/2017, às 19:20


Rádio Jornal

[IMAGEM]

A Reforma da Previdência entrou na roda de discussões do Audiência Marcada desta sexta-feira (17). A questão dividiu opiniões entre os advogados João Bosco de Albuquerque e Paulo Perazzo. O programa foi mediado pelo comunicador Ednaldo Santos e contou com a presença do editor de Política do Jornal do Commercio, Gilvan Oliveira.

Na opinião de João Bosco Albuquerque o problema da Previdência Social é um caso de incompetência do Governo. Segundo ele, o poder público administra mal o dinheiro da aposentadoria e desvia os recursos para outras questões. “O Governo não combate a corrupção”, desabafou.

Paulo Perazzo explicou que a reforma é uma questão de Estado independente do governante. “É preciso se pensar o Estado que queremos a curto, médio e longo prazo”, afirmou. Segundo ele, existem duas soluções para o déficit na Previdência. Uma seria o aumento da carga tributária. A outra saída envolveria o endurecimento das regras da aposentadoria.

Ouça aqui na íntegra o programa:
[uolmais_audio 16166777]
[uolmais_audio 16166781]

Já João Bosco Albuquerque contestou as posições de Perazzo e enfatizou que é preciso se criar outra alternativa. “Deve existir uma terceira via. É preciso cortar privilégios para não punir a maior parte da população que recebe benefícios sociais. Paulo está engolindo a propaganda do Governo Federal”, disparou.

Apesar de concordar que a reforma é necessária, João Bosco Albuquerque revela que fica com um pé atrás com um presidente que diz que não vai tirar o direito adquirido de ninguém. “Mas quem ainda não adquiriu o direito fica num contexto delicado”, apontou. Ele defende que o assunto necessita de um amplo debate com a participação da sociedade. “Deve haver mudança, mas não a que está aí posta”.

O advogado Paulo Perazzo disse no programa que uma reforma apenas com os servidores federais já resolveria 70% dos problemas da Previdência.