Audioteca | EDUCAÇÃO E POLÍTICA

"As coisas continuam bem na educação", diz ministro Mendonça Filho


O ministro da Educação Mendonça Filho diz que crise política não afetou a pasta e promete concluir a Base Comum Curricular até 2018

Publicado em 19/06/2017, às 12:13


Rádio Jornal
Rafael Souza

Foto: Suellen Fernandes/Rádio Jornal
Foto: Suellen Fernandes/Rádio Jornal

O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), prometeu concluir até o inicio do ano que vem a Base Comum Curricular dos ensinos Básico, Fundamental e Médio e disse que a crise política não vêm afetando a pasta da educação: "a gente tem Henrique Meirelles na área econômica e eu estou aqui numa área sensível. Meu propósito é garantir a estabilidade e as coisas continuam rodando bem na área da educação". A declaração foi dada durante debate realizado no programa de Geraldo Freire, na Rádio Jornal, na manhã desta segunda-feira (19).

Base Comum Curricular

De acordo com o ministro, a Base Comum Curricular, que reúne todas as coordenadas na área da educação, deve ser entregue até o fim deste ano em relação ao Ensino Básico e Fundamental (até o nono ano). Já a base do Ensino Médio deve estar pronta até o início de 2018. Foi o que prometeu o ministro: "estamos fazendo audiências públicas, não há nenhuma carta marcada na definição desse processo", garantiu.

Livros recolhidos

Mendonça Filho ainda comentou sobre o recolhimento do livro paradidático "Enquanto o sono não vem", acusado de apologia ao incesto, contando a história de um rei que deixa a rainha para ficar com a filha. Os 93 mil exemplares oferecidos pelo MEC foram recolhidos: "houve uma reação muito grande de pais e educadores. Pedimos um parecer técnico e jurídico e retiramos esse livro, pois não o consideramos apropriado", afirmou. Contudo, o livro recolhido vai para as bibliotecas públicas.

Enem 2017 e Fórum Nacional de Educação

Neste ano, as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) serão realizadas pela primeira vez em dois fins de semana diferentes - em dois domingos. O ministro defende que o gabarito das provas só seja divulgado depois de processo concluído.

Sobre o Fórum Nacional de Educação, o ministro diz que as mudanças feitas ainda no governo de Dilma Rousseff (PT) não receberam críticas de "ninguém", ao contrário de agora. Para ele, o Fórum "é pra discutir educação e não politica partidária ideológica", disse.

Política

Ex-governador de Pernambuco (2006-2007) e deputado federal licenciado pelo DEM, Mendonça Filho não quis falar sobre qual papel e a que cargo vai concorrer nas eleições gerais de 2018. Ele lembrou que o partido dele, o Democratas, conseguiu resistir à forte crise e a saída de parlamentares do partido: "se imaginava que a gente iria desaparecer. Em política é preciso ter opinião, ter postura", afirmou.



O ministro, contudo, não confirma que será candidato a governador já que ainda é "cedo": "é difícil prever o cenário, porque falta mais de um ano e o quadro político brasileiro é o mais conturbado dos últimos 50 anos. Não posso antecipar nada e ninguém é candidato a governador de si próprio, depende da vontade do povo", declarou.

Sobre a relação com o PSB, que rompeu politicamente no estado com o DEM em 2016, Mendonça Filho garante que mantém uma boa relação institucional com o Governo do Estado, mas em relação á política, deixou a coligação por vontade do próprio governador Paulo Câmara (PSB). "O PSB, nacionalmente, está rachado", afirmou o ministro, que confirmou que tem conversado com o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), mas não sobre "ingresso ao partido", disse.

Mendonça Filho ainda falou da ótima relação que mantém com o senador Armando Monteiro Neto (PTB): "tenho uma relação de amizade com Armando, ele é uma liderança importante do estado e mantemos o respeito mesmo com os palanques
muitas vezes diferentes", afirmou. Para o pleito presidencial de 2018, ele acredita que o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) continua viável, apesar do grande "chamamento" para o governo de Goiás.

Escolas atingidas pelas chuvas

O ministro da Educação falou ainda sobre o apoio prometido para as cidades pernambucanas atingidas pelas fortes chuvas de maio. "A disposição do MEC é atender a necessidade de reforma das escolas destruídas pelas chuvas. Os municípios precisam fazer protocolos para os recursos serem liberados", garantiu. De acordo com ele, "ainda tem escolas da cheia de 2010 que não foram reformadas".

Obras contra a seca

No enfrentamento à mais forte estiagem dos últimos 70 anos, Mendonça diz que a chuva recente que caiu no Agreste não foi suficiente para encher reservatórios. "A adutora do Agreste é urgente e fundamental e estamos aportando recursos para a Compesa cumprir o cronograma", disse.


Audioteca

"As coisas continuam bem na educação", diz ministro Mendonça Filho



Publicado em 19/06/2017, às 12:13


Rádio Jornal
Rafael Souza

[IMAGEM]

O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), prometeu concluir até o inicio do ano que vem a Base Comum Curricular dos ensinos Básico, Fundamental e Médio e disse que a crise política não vêm afetando a pasta da educação: "a gente tem Henrique Meirelles na área econômica e eu estou aqui numa área sensível. Meu propósito é garantir a estabilidade e as coisas continuam rodando bem na área da educação". A declaração foi dada durante debate realizado no programa de Geraldo Freire, na Rádio Jornal, na manhã desta segunda-feira (19).

[uolmais_audio 16247422]

[uolmais_audio 16247423]

[uolmais_audio 16247429]

Base Comum Curricular

De acordo com o ministro, a Base Comum Curricular, que reúne todas as coordenadas na área da educação, deve ser entregue até o fim deste ano em relação ao Ensino Básico e Fundamental (até o nono ano). Já a base do Ensino Médio deve estar pronta até o início de 2018. Foi o que prometeu o ministro: "estamos fazendo audiências públicas, não há nenhuma carta marcada na definição desse processo", garantiu.

Livros recolhidos

Mendonça Filho ainda comentou sobre o recolhimento do livro paradidático "Enquanto o sono não vem", acusado de apologia ao incesto, contando a história de um rei que deixa a rainha para ficar com a filha. Os 93 mil exemplares oferecidos pelo MEC foram recolhidos: "houve uma reação muito grande de pais e educadores. Pedimos um parecer técnico e jurídico e retiramos esse livro, pois não o consideramos apropriado", afirmou. Contudo, o livro recolhido vai para as bibliotecas públicas.

Enem 2017 e Fórum Nacional de Educação

Neste ano, as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) serão realizadas pela primeira vez em dois fins de semana diferentes - em dois domingos. O ministro defende que o gabarito das provas só seja divulgado depois de processo concluído.

Sobre o Fórum Nacional de Educação, o ministro diz que as mudanças feitas ainda no governo de Dilma Rousseff (PT) não receberam críticas de "ninguém", ao contrário de agora. Para ele, o Fórum "é pra discutir educação e não politica partidária ideológica", disse.

Política

Ex-governador de Pernambuco (2006-2007) e deputado federal licenciado pelo DEM, Mendonça Filho não quis falar sobre qual papel e a que cargo vai concorrer nas eleições gerais de 2018. Ele lembrou que o partido dele, o Democratas, conseguiu resistir à forte crise e a saída de parlamentares do partido: "se imaginava que a gente iria desaparecer. Em política é preciso ter opinião, ter postura", afirmou.

O ministro, contudo, não confirma que será candidato a governador já que ainda é "cedo": "é difícil prever o cenário, porque falta mais de um ano e o quadro político brasileiro é o mais conturbado dos últimos 50 anos. Não posso antecipar nada e ninguém é candidato a governador de si próprio, depende da vontade do povo", declarou.

Sobre a relação com o PSB, que rompeu politicamente no estado com o DEM em 2016, Mendonça Filho garante que mantém uma boa relação institucional com o Governo do Estado, mas em relação á política, deixou a coligação por vontade do próprio governador Paulo Câmara (PSB). "O PSB, nacionalmente, está rachado", afirmou o ministro, que confirmou que tem conversado com o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), mas não sobre "ingresso ao partido", disse.

Mendonça Filho ainda falou da ótima relação que mantém com o senador Armando Monteiro Neto (PTB): "tenho uma relação de amizade com Armando, ele é uma liderança importante do estado e mantemos o respeito mesmo com os palanques
muitas vezes diferentes", afirmou. Para o pleito presidencial de 2018, ele acredita que o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) continua viável, apesar do grande "chamamento" para o governo de Goiás.

Escolas atingidas pelas chuvas

O ministro da Educação falou ainda sobre o apoio prometido para as cidades pernambucanas atingidas pelas fortes chuvas de maio. "A disposição do MEC é atender a necessidade de reforma das escolas destruídas pelas chuvas. Os municípios precisam fazer protocolos para os recursos serem liberados", garantiu. De acordo com ele, "ainda tem escolas da cheia de 2010 que não foram reformadas".

Obras contra a seca

No enfrentamento à mais forte estiagem dos últimos 70 anos, Mendonça diz que a chuva recente que caiu no Agreste não foi suficiente para encher reservatórios. "A adutora do Agreste é urgente e fundamental e estamos aportando recursos para a Compesa cumprir o cronograma", disse.