Audioteca | AUDIÊNCIA MARCADA

O Pacto está mais vivo que nunca”, diz Antônio de Pádua


O secretário da Defesa Social de Pernambuco, Antônio de Pádua foi entrevistado pelo comunicador, Ednaldo Santos, Audiência Marcada desta sexta-feira (1)

Publicado em 01/09/2017, às 22:14


Rádio Jornal
Por Juliana Nascimento

Foto: Juliana Nascimento/Rádio Jornal

Com três meses à frente da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco, o chefe da pasta, Antônio de Pádua, que também carrega o nome de um dos santos mais populares do Brasil, Santo Antônio, promete ações para diminuir os dados de insegurança no Estado, o que seria quase um milagre ao olhar da população.

Isso porque Pernambuco está no ranking dos mais violentos do país, de acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Para debater sobre segurança, o secretário foi o convidado de Ednaldo Santos, no quadro Audiência Marcada, do programa Balanço das Notícias nessa sexta-feira (01.09), na Rádio Jornal. Também participaram da entrevista o jornalista de política do Jornal do Commercio, Gilvan Oliveira e o jornalista de Cidades, Felipe Vieira.

Ouça:

 DADOS

Os dados alarmantes é sentido pelos pernambucanos, só de janeiro a julho deste ano, foram mais de 3.300 homicídios no Estado, de acordo com levantamento da Secretaria de Defesa Social. Em 2013, por exemplo, foram cerca de 3.100 durante todo o ano, de lá para cá, esse número só tem aumentado. Em 2014 foram 3.434 pessoas assassinadas, no ano de 2015 o número chegou a 3.889 e em 2016 o apurado foram 4.479 homicídios. Sobre isso, Antônio de Pádua, rebateu. "Alguns estados não tem interesse em divulgar os cálculos certos, e nós agimos com transparência, apresentamos, mas infelizmente não temos uma Política Nacional de Segurança". Perguntando sobre quais as possíveis causas desse acréscimo, o secretário, atrela ao desemprego e a crise econômica vivida no país.



 UNINDO ESFORÇOS

Já em relação as dados de assaltos a ônibus, que contabilizaram de janeiro a agosto desse ano, em 2.664, segundo o Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco, Pádua ressaltou o apoio de órgãos e entidades para combater a violência no estado. "Nessa última segunda-feira (28.08), nos reunimos com representantes da polícia militar, civil, Ministério Público, Defensoria pública e com poder judiciário e essas audiências vão ocorrer periodicamente para ações em todas as áreas, não podemos agir sozinhos".

QUADRILHAS

Sobre os intensos casos de arrombamentos, explosões e assaltos a bancos, Antônio de Pádua frisou a presença de grupos financiados. "Por isso a necessidade de política nacional de segurança, Pernambuco não faz fronteiras com países, e esses armamentos pesados e drogas vem de fora". Indagado sobre a "morte" do Programa Pacto Pela Vida, ele resumiu. "O Pacto está mais vivo que nunca e é exemplo para outros estados, Bahia mesmo seguiu nosso passos".

AÇÕES

Entre as ações que o secretário promete, estão Operação Transporte Seguro, reformas nas delegacias, entrega de novas viaturas e reforço do efetivo de aproximadamente 800 policiais. Por fim, ele concluiu que está trabalhando e, em breve, a SDS vai divulgar novos dados, que apresentam menos índices de violência. Antônio de Pádua está à frente da Secretaria de Defesa Social desde 30 de maio de 2017. Ele assumiu substituindo Angelo Gioia, que ficou 8 meses no cargo. Antes, Pádua trabalhou na corregedoria geral da SDS.


Audioteca

O Pacto está mais vivo que nunca”, diz Antônio de Pádua



Publicado em 01/09/2017, às 22:14


Rádio Jornal
Por Juliana Nascimento

[IMAGEM]

Com três meses à frente da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco, o chefe da pasta, Antônio de Pádua, que também carrega o nome de um dos santos mais populares do Brasil, Santo Antônio, promete ações para diminuir os dados de insegurança no Estado, o que seria quase um milagre ao olhar da população.

Isso porque Pernambuco está no ranking dos mais violentos do país, de acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Para debater sobre segurança, o secretário foi o convidado de Ednaldo Santos, no quadro Audiência Marcada, do programa Balanço das Notícias nessa sexta-feira (01.09), na Rádio Jornal. Também participaram da entrevista o jornalista de política do Jornal do Commercio, Gilvan Oliveira e o jornalista de Cidades, Felipe Vieira.

Ouça:

[uolmais_audio 16304349]

[uolmais_audio 16304348]

[uolmais_audio 16304347]

 DADOS

Os dados alarmantes é sentido pelos pernambucanos, só de janeiro a julho deste ano, foram mais de 3.300 homicídios no Estado, de acordo com levantamento da Secretaria de Defesa Social. Em 2013, por exemplo, foram cerca de 3.100 durante todo o ano, de lá para cá, esse número só tem aumentado. Em 2014 foram 3.434 pessoas assassinadas, no ano de 2015 o número chegou a 3.889 e em 2016 o apurado foram 4.479 homicídios. Sobre isso, Antônio de Pádua, rebateu. "Alguns estados não tem interesse em divulgar os cálculos certos, e nós agimos com transparência, apresentamos, mas infelizmente não temos uma Política Nacional de Segurança". Perguntando sobre quais as possíveis causas desse acréscimo, o secretário, atrela ao desemprego e a crise econômica vivida no país.

 UNINDO ESFORÇOS

Já em relação as dados de assaltos a ônibus, que contabilizaram de janeiro a agosto desse ano, em 2.664, segundo o Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco, Pádua ressaltou o apoio de órgãos e entidades para combater a violência no estado. "Nessa última segunda-feira (28.08), nos reunimos com representantes da polícia militar, civil, Ministério Público, Defensoria pública e com poder judiciário e essas audiências vão ocorrer periodicamente para ações em todas as áreas, não podemos agir sozinhos".

QUADRILHAS

Sobre os intensos casos de arrombamentos, explosões e assaltos a bancos, Antônio de Pádua frisou a presença de grupos financiados. "Por isso a necessidade de política nacional de segurança, Pernambuco não faz fronteiras com países, e esses armamentos pesados e drogas vem de fora". Indagado sobre a "morte" do Programa Pacto Pela Vida, ele resumiu. "O Pacto está mais vivo que nunca e é exemplo para outros estados, Bahia mesmo seguiu nosso passos".

AÇÕES

Entre as ações que o secretário promete, estão Operação Transporte Seguro, reformas nas delegacias, entrega de novas viaturas e reforço do efetivo de aproximadamente 800 policiais. Por fim, ele concluiu que está trabalhando e, em breve, a SDS vai divulgar novos dados, que apresentam menos índices de violência. Antônio de Pádua está à frente da Secretaria de Defesa Social desde 30 de maio de 2017. Ele assumiu substituindo Angelo Gioia, que ficou 8 meses no cargo. Antes, Pádua trabalhou na corregedoria geral da SDS.