Audioteca | Tudo é História

7 de setembro, a nossa Independência


Os processos e movimentos libertários do Brasil em busca da Independência da coroa portuguesa

Publicado em 06/09/2017, às 20:36


Rádio Jornal

Créditos: foto / reprodução internet

O processo da Independência do Brasil, marca o fim do domínio dos portugueses e a conquista da autonomia política brasileira.  Vários movimentos anteriores ocorreram na tentativa de buscar este ideal. A Inconfidência Mineira, de caráter mais elitista, e a Conjuração Baiana, voltada para a camada mais popular da sociedade, foram as que mais se destacaram. Cinco anos antes, Pernambuco já havia ficado independente, na Revolução Pernambucana, mas não conseguiu se segurar  por muito tempo, pois a reação foi muito forte contra os estado.

Na coluna Tudo é História do programa Movimento desta terça-feira (05), o colunista e historiador, Lula Couto, trás algumas curiosidades sobre os 195 anos da Independência do Brasil.



Ouça a coluna íntegra:

Pós-Independência

Os primeiros países a reconhecer a independência brasileira foram os Estados Unidos e o México, curiosamente não houve luta para se separar de Portugal. O país europeu exigiu 2 milhões de libras esterlinas para reconhecer a libertação da sua ex-colônia.  Na época a Inglaterra estava em grande ascensão econômica. Dom Pedro I recorreu a um empréstimo ao país inglês e daí começou a dívida externa do Brasil.

Mesmo com esse fato histórico, não houve uma ruptura social no país. A elite agrária que havia dado suporte a Dom Pedro I foi a camada que mais se beneficiou com a independência. A escravidão se manteve e a desigualdade se permaneceu igual.


Audioteca

7 de setembro, a nossa Independência



Publicado em 06/09/2017, às 20:36


Rádio Jornal

[IMAGEM]

O processo da Independência do Brasil, marca o fim do domínio dos portugueses e a conquista da autonomia política brasileira.  Vários movimentos anteriores ocorreram na tentativa de buscar este ideal. A Inconfidência Mineira, de caráter mais elitista, e a Conjuração Baiana, voltada para a camada mais popular da sociedade, foram as que mais se destacaram. Cinco anos antes, Pernambuco já havia ficado independente, na Revolução Pernambucana, mas não conseguiu se segurar  por muito tempo, pois a reação foi muito forte contra os estado.

Na coluna Tudo é História do programa Movimento desta terça-feira (05), o colunista e historiador, Lula Couto, trás algumas curiosidades sobre os 195 anos da Independência do Brasil.

Ouça a coluna íntegra:

Pós-Independência

Os primeiros países a reconhecer a independência brasileira foram os Estados Unidos e o México, curiosamente não houve luta para se separar de Portugal. O país europeu exigiu 2 milhões de libras esterlinas para reconhecer a libertação da sua ex-colônia.  Na época a Inglaterra estava em grande ascensão econômica. Dom Pedro I recorreu a um empréstimo ao país inglês e daí começou a dívida externa do Brasil.

Mesmo com esse fato histórico, não houve uma ruptura social no país. A elite agrária que havia dado suporte a Dom Pedro I foi a camada que mais se beneficiou com a independência. A escravidão se manteve e a desigualdade se permaneceu igual.