Notícia | JULGAMENTO

Procurador da República vai pedir pena máxima aos cinco acusados de matar Manoel Mattos


O caso foi o primeiro a ter sua investigação federalizada no Brasil. Os caso completou seis anos sem que os acusados fossem punidos.

Publicado em 14/04/2015, às 10:01

Da Rádio Jornal
Postado por Luiza Falcão
Desde 2005, Manoel Mattos denunciava a ação de milícias entre Pernambuco e a Paraíba. Foto: reprodução/arquivo pessoal


O primeiro caso a ser federalizado no Brasil pode finalmente chegar a um veredicto. O júri popular que vai decidir se os cinco réus do caso Manoel Mattos são culpados pelo crime ocorrido em janeiro de 2009 na Paraíba começou nesta terça-feira (14), na 36ª Vara da Justiça Federal em Pernambuco, no Jiquiá, Zona Oeste do Recife.

O assassinato do advogado, ex-vereador de Itambé e vice-presidente Estadual do PT, teria ocorrido após denúncias feitas por ele sobre a atuação de um grupo de extermínio no interior de Pernambuco e da Paraíba. Manoel Mattos foi morto dentro da casa de praia que tinha em Pitimbu (PB). De acordo com o promotor da República, Alfredo Falcão, será pedida a pena máxima aos acusados. Saiba mais na reportagem de Rafael Carneiro.

Para relatar a expectativa em relação ao julgamento foi realizada nessa segunda, uma coletiva de imprensa, na sede da OAB-PE, no bairro de Santo Antônio, área central do Recife. Participaram do encontro familiares de Manoel Mattos; o secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico; além de representantes de ONGs ligadas aos direitos humanos, bandeira amplamente defendida por Mattos. 

Entre os réus estão o sargento da Polícia Militar Flávio Inácio Pereira e Cláudio Roberto Borges, apontados como os principais mentores do assassinato. O terceiro acusado, José Nilson Borges, é irmão de Cláudio e teria emprestado a arma usada no crime. Os demais acusados são José da Silva Martins e Sérgio Paulo da Silva, suspeitos de serem os executores do homicídio. Lélia Perlim traz as informações:

O advogado assistente da acusação, Maurício Bezerra, afirma que os réus devem ser interrogados antes dos debates orais. A expectativa é que o julgamento termine na madrugada da próxima quarta-feira (15). A Justiça Federal convocou 50 jurados, dos quais sete serão sorteados para participar do júri.

Emocionada, a mãe de Manoel Mattos, Nair Mattos, diz que espera que a justiça finalmente seja feita. “Com ele vivo, eu também fui ameaçada para que ele recuasse, mas não foi essa a educação que eu dei a ele. Hoje eu choro com muita saudade dele, mas eu tenho muita pena das pessoas que ele defendia e ajudava”, lamenta.

A federalização do caso foi conseguida em 2010, após diversas entidades terem pressiodado a transferência da investigação e do julgamento do homicídio para o âmbito da Polícia e da Justiça Federal. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou a instauração do Incidente de Deslocamento de Competência, mecanismo previsto na Constituição desde 2004 para crimes que envolvam grave violação de direitos humanos.

Comentários

Notícia

Procurador da República vai pedir pena máxima aos cinco acusados de matar Manoel Mattos



Publicado em 14/04/2015, às 10:01


Da Rádio Jornal
Postado por Luiza Falcão
Desde 2005, Manoel Mattos denunciava a ação de milícias entre Pernambuco e a Paraíba. Foto: reprodução/arquivo pessoal


O primeiro caso a ser federalizado no Brasil pode finalmente chegar a um veredicto. O júri popular que vai decidir se os cinco réus do caso Manoel Mattos são culpados pelo crime ocorrido em janeiro de 2009 na Paraíba começou nesta terça-feira (14), na 36ª Vara da Justiça Federal em Pernambuco, no Jiquiá, Zona Oeste do Recife.

O assassinato do advogado, ex-vereador de Itambé e vice-presidente Estadual do PT, teria ocorrido após denúncias feitas por ele sobre a atuação de um grupo de extermínio no interior de Pernambuco e da Paraíba. Manoel Mattos foi morto dentro da casa de praia que tinha em Pitimbu (PB). De acordo com o promotor da República, Alfredo Falcão, será pedida a pena máxima aos acusados. Saiba mais na reportagem de Rafael Carneiro.

Para relatar a expectativa em relação ao julgamento foi realizada nessa segunda, uma coletiva de imprensa, na sede da OAB-PE, no bairro de Santo Antônio, área central do Recife. Participaram do encontro familiares de Manoel Mattos; o secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico; além de representantes de ONGs ligadas aos direitos humanos, bandeira amplamente defendida por Mattos. 

Entre os réus estão o sargento da Polícia Militar Flávio Inácio Pereira e Cláudio Roberto Borges, apontados como os principais mentores do assassinato. O terceiro acusado, José Nilson Borges, é irmão de Cláudio e teria emprestado a arma usada no crime. Os demais acusados são José da Silva Martins e Sérgio Paulo da Silva, suspeitos de serem os executores do homicídio. Lélia Perlim traz as informações:

O advogado assistente da acusação, Maurício Bezerra, afirma que os réus devem ser interrogados antes dos debates orais. A expectativa é que o julgamento termine na madrugada da próxima quarta-feira (15). A Justiça Federal convocou 50 jurados, dos quais sete serão sorteados para participar do júri.

Emocionada, a mãe de Manoel Mattos, Nair Mattos, diz que espera que a justiça finalmente seja feita. “Com ele vivo, eu também fui ameaçada para que ele recuasse, mas não foi essa a educação que eu dei a ele. Hoje eu choro com muita saudade dele, mas eu tenho muita pena das pessoas que ele defendia e ajudava”, lamenta.

A federalização do caso foi conseguida em 2010, após diversas entidades terem pressiodado a transferência da investigação e do julgamento do homicídio para o âmbito da Polícia e da Justiça Federal. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou a instauração do Incidente de Deslocamento de Competência, mecanismo previsto na Constituição desde 2004 para crimes que envolvam grave violação de direitos humanos.