Notícia | SISTEMA PRISIONAL

Presídio de Alcaçuz não tem mais grades e falta policiamento em Natal


Morador de Natal afirma que clima é de insegurança mesmo para quem mora longe dos presídios. Policial militar diz que situação é caótica

Publicado em 19/01/2017, às 11:05

Rádio Jornal
Foto: Agência Brasil


Ônibus incendiados, falta de policiamento nas ruas e muito medo. Esse clima de tensão é constante entre os moradores de Natal, no Rio Grande do Norte, após o caos no presídio de Alcaçuz, que fica na cidade de Nísia Floresta, ter se estendido para as ruas da capital. 

O morador Diógenes Falcão explica que o medo maior é para quem mora na região litorânea de Pirangi. "Esse presídio fica perto das praias nobres de Pirangi do Norte e Pirangi do Sul e as pessoas que têm casas nessas praias estão muito assustadas com essa situação", disse. O morador afirma que, mesmo morando em uma área longe do presídio de Alcaçuz, os incêndios a ônibus estão sendo incendiados na cidade toda e ninguém se se sente seguro. "Ontem à noite, após queimarem alguns, os ônibus foram recolhidos e as pessoas ficaram sem ter como voltar para casa. Hoje, os ônibus voltaram pouco a pouco, mas só a partir das 8h", diz. "Nos lugares por onde eu passei, eu não vi nada, mas via a insegurança na população que, na verdade, é o objetivo final", completa.

Diógenes afirma ainda que, para a população, os presos estão orquestrando as ações fora do presídio e que, nas ruas, falta policiamento. "O presídio só existe a casca externa, não existe grade, não existe parede, não existe mais coisíssima alguma", diz. "A população está amedontrada e muito boato rola nas ruas", Ouça a entrevista completa:

Outro fato que deixa a população amedontrada é a briga entre o Sindicato do Crime, do Rio Grande do Norte, e o Primeiro Comando da Capital (PCC), que tem origem em São Paulo, mas está espalhado em todo o país. Sobre a situação de tensão, a Rádio Jornal também conversou com o policial militar Adriano, que trabalha no Rio Grande do Norte, mas mora no Recife. 

» Ministro da Defesa diz que PCC é estado paralelo instalado no Brasil

Por telefone, o PM Adriano relatou a situação de calamidade vivida dentro do presídio de Alcaçuz, no município de Nísia Floresta (RN). Ele afirma que trabalha há 10 anos no estado e é lotado na cidade de Canguaretama, distante 70 km da capital. "Não houve enfrentamento entre as facções porque houve intervenção policial, não fosse isso, haveria outra carnificina", afirmou o PM. Ele afirma que a unidade prisional teve as celas completamente destruídas e que só estão de pé as quatro paredes onde ficam as guaritas. "Só tem o quadrado lá dentro,não tem mais nada", afirmou.

Em relação ao controle dos presos, o policial Adriano declarou que os detentos são contidos via disparos para dispersar. Ele acredita que os ônibus incendiados na Grande Natal são fruto da ação dos criminosos encarecerados e que apesar da atenção nacional dada para o caso, a situação "continua do mesmo jeito, não mudou nada", disse.

Ouça a entrevista completa:

Detentos em conflito

Na manhã desta quinta-feira (19), detenos do presídio de Alcaçuz entraram em confronto dentro da área externa às celas do presídio. O clima é de terror intenso e os policiais não estão conseguindo conter as duas facções que se enfrentam no pátio. Entre tiros de bala de borracha e bombas de efeito moral, poucos agentes tentam, de dentro da guarita, conter os presos, que estão espalhados por cima dos telhados.

Recomendados para você

Publicidade

Comentários

Notícia

Presídio de Alcaçuz não tem mais grades e falta policiamento em Natal



Publicado em 19/01/2017, às 11:05


Rádio Jornal
Foto: Agência Brasil


Ônibus incendiados, falta de policiamento nas ruas e muito medo. Esse clima de tensão é constante entre os moradores de Natal, no Rio Grande do Norte, após o caos no presídio de Alcaçuz, que fica na cidade de Nísia Floresta, ter se estendido para as ruas da capital. 

O morador Diógenes Falcão explica que o medo maior é para quem mora na região litorânea de Pirangi. "Esse presídio fica perto das praias nobres de Pirangi do Norte e Pirangi do Sul e as pessoas que têm casas nessas praias estão muito assustadas com essa situação", disse. O morador afirma que, mesmo morando em uma área longe do presídio de Alcaçuz, os incêndios a ônibus estão sendo incendiados na cidade toda e ninguém se se sente seguro. "Ontem à noite, após queimarem alguns, os ônibus foram recolhidos e as pessoas ficaram sem ter como voltar para casa. Hoje, os ônibus voltaram pouco a pouco, mas só a partir das 8h", diz. "Nos lugares por onde eu passei, eu não vi nada, mas via a insegurança na população que, na verdade, é o objetivo final", completa.

Diógenes afirma ainda que, para a população, os presos estão orquestrando as ações fora do presídio e que, nas ruas, falta policiamento. "O presídio só existe a casca externa, não existe grade, não existe parede, não existe mais coisíssima alguma", diz. "A população está amedontrada e muito boato rola nas ruas", Ouça a entrevista completa:

[uolmais_audio 16118612]

Outro fato que deixa a população amedontrada é a briga entre o Sindicato do Crime, do Rio Grande do Norte, e o Primeiro Comando da Capital (PCC), que tem origem em São Paulo, mas está espalhado em todo o país. Sobre a situação de tensão, a Rádio Jornal também conversou com o policial militar Adriano, que trabalha no Rio Grande do Norte, mas mora no Recife. 

» Ministro da Defesa diz que PCC é estado paralelo instalado no Brasil

Por telefone, o PM Adriano relatou a situação de calamidade vivida dentro do presídio de Alcaçuz, no município de Nísia Floresta (RN). Ele afirma que trabalha há 10 anos no estado e é lotado na cidade de Canguaretama, distante 70 km da capital. "Não houve enfrentamento entre as facções porque houve intervenção policial, não fosse isso, haveria outra carnificina", afirmou o PM. Ele afirma que a unidade prisional teve as celas completamente destruídas e que só estão de pé as quatro paredes onde ficam as guaritas. "Só tem o quadrado lá dentro,não tem mais nada", afirmou.

Em relação ao controle dos presos, o policial Adriano declarou que os detentos são contidos via disparos para dispersar. Ele acredita que os ônibus incendiados na Grande Natal são fruto da ação dos criminosos encarecerados e que apesar da atenção nacional dada para o caso, a situação "continua do mesmo jeito, não mudou nada", disse.

Ouça a entrevista completa:

[uolmais_audio 16118619]

Detentos em conflito

Na manhã desta quinta-feira (19), detenos do presídio de Alcaçuz entraram em confronto dentro da área externa às celas do presídio. O clima é de terror intenso e os policiais não estão conseguindo conter as duas facções que se enfrentam no pátio. Entre tiros de bala de borracha e bombas de efeito moral, poucos agentes tentam, de dentro da guarita, conter os presos, que estão espalhados por cima dos telhados.