Notícia | CRIME

MPPE abre inquérito contra Chip Livre, suspeita de pirâmide financeira


De acordo com o promotor de justiça Maviael de Souza Silva, investigações contra a empresa Chip Livre ainda são iniciais

Publicado em 06/03/2017, às 17:18

Rádio Jornal

Foto: Reprodução/ Site

O Ministério Público de Pernambuco instaurou um inquérito civil para investigar a atuação da empresa “Chip Livre”, suspeita de promover pirâmides financeiras no Estado. De acordo com informações contidas no site da empresa, a organização atua na comercialização de chips e serviços de telecomunicação.

À frente das investigações, o promotor de justiça Maviael de Souza Silva detalha como serão feitos os primeiros levantamentos e porquê a atividade se caracterizaria em pirâmide. “Nos parece que eles utilizam aquela velha tática de arregimentação de cliente com eventos. O que a gente quer saber da Anatel é se essa empresa tem autorização para realizar esse tipo de negócio”, destacou.



Confira os detalhes na reportagem de Henrique Santos:

O promotor afirma que a investigação ainda é inicial e tudo terá que ser devidamente apurado. “O objetivo do Ministério Público é em defesa da sociedade evitar que o consumidor seja lesado de qualquer forma”, contou.

A reportagem da Rádio Jornal tentou entrar em contato com a empresa “Chip Livre”, mas não conseguiu nenhum posicionamento.

Recomendados para você

Comentários

Notícia

MPPE abre inquérito contra Chip Livre, suspeita de pirâmide financeira



Publicado em 06/03/2017, às 17:18


Rádio Jornal

[IMAGEM]

O Ministério Público de Pernambuco instaurou um inquérito civil para investigar a atuação da empresa “Chip Livre”, suspeita de promover pirâmides financeiras no Estado. De acordo com informações contidas no site da empresa, a organização atua na comercialização de chips e serviços de telecomunicação.

À frente das investigações, o promotor de justiça Maviael de Souza Silva detalha como serão feitos os primeiros levantamentos e porquê a atividade se caracterizaria em pirâmide. “Nos parece que eles utilizam aquela velha tática de arregimentação de cliente com eventos. O que a gente quer saber da Anatel é se essa empresa tem autorização para realizar esse tipo de negócio”, destacou.

Confira os detalhes na reportagem de Henrique Santos:

[uolmais_audio 16156982]

O promotor afirma que a investigação ainda é inicial e tudo terá que ser devidamente apurado. “O objetivo do Ministério Público é em defesa da sociedade evitar que o consumidor seja lesado de qualquer forma”, contou.

A reportagem da Rádio Jornal tentou entrar em contato com a empresa “Chip Livre”, mas não conseguiu nenhum posicionamento.