Interior | CRISE

Crise hídrica: situação da barragem do Prata, no Agreste, se agrava


Compesa ampliou o calendário de racionamento diante de crise hídrica no interior do Estado

Publicado em 16/03/2017, às 10:01

Rádio Jornal
Rebeca Montenegro

Foto: Reprodução

Com a barragem de Jucazinho, em Surubim, em colapso, é a barragem do Prata, em Bonito, que abastece muitas ciades do Agreste Pernambucano. Porém, de acordo com a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), se não chover, a situação da crise hídrica no interior do Estado pode se agrava ainda mais e deixar sem abastecimento sete municípios.

Hoje, a barragem do Prata tem menos de 17% do volume total cheio de água. Como medida preventiva, a Compesa ampliou o calendário de racionamento. Antes, eram quatro dias com água e 12 sem. Agora, os municípios afetados vão ser abastecidos por 7 dias e ficar 21 sem água.

A coordenação do Sistema do Prata demonstra preocupação e espera que o período de chuvas, esperado para junho, garanta a continuidade do abastecimento.



Pirangi

O sistema emergencial que deverá amenizar a crise hídrica é a Adutora do Pirangi. Com custo superior a R$ 60 milhões, ela vai permitir que a barragem do Prato seja preservada. Por meio de nota, a Compesa explicou que, nos primeiros testes realizados no sistema Pirangi, houve um rompimento no trecho inicial da adutora.

De acordo com a Compesa, os tubos danificados foram retirados e os novos estão em fase de produção. A partir da próxima terça-feira (21), o bombeamento de água para a barragem do Prata deve ser retomado, mas não há estimativa de quando a água deve chegar ao local. Saiba mais na reportagem de Berg Santos:

Recomendados para você

Comentários

Interior

Crise hídrica: situação da barragem do Prata, no Agreste, se agrava



Publicado em 16/03/2017, às 10:01


Rádio Jornal
Rebeca Montenegro

[IMAGEM]

Com a barragem de Jucazinho, em Surubim, em colapso, é a barragem do Prata, em Bonito, que abastece muitas ciades do Agreste Pernambucano. Porém, de acordo com a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), se não chover, a situação da crise hídrica no interior do Estado pode se agrava ainda mais e deixar sem abastecimento sete municípios.

Hoje, a barragem do Prata tem menos de 17% do volume total cheio de água. Como medida preventiva, a Compesa ampliou o calendário de racionamento. Antes, eram quatro dias com água e 12 sem. Agora, os municípios afetados vão ser abastecidos por 7 dias e ficar 21 sem água.

A coordenação do Sistema do Prata demonstra preocupação e espera que o período de chuvas, esperado para junho, garanta a continuidade do abastecimento.

Pirangi

O sistema emergencial que deverá amenizar a crise hídrica é a Adutora do Pirangi. Com custo superior a R$ 60 milhões, ela vai permitir que a barragem do Prato seja preservada. Por meio de nota, a Compesa explicou que, nos primeiros testes realizados no sistema Pirangi, houve um rompimento no trecho inicial da adutora.

De acordo com a Compesa, os tubos danificados foram retirados e os novos estão em fase de produção. A partir da próxima terça-feira (21), o bombeamento de água para a barragem do Prata deve ser retomado, mas não há estimativa de quando a água deve chegar ao local. Saiba mais na reportagem de Berg Santos:

[uolmais_audio 16165317]