Notícia | PARALISAÇÃO

Greve dos professores tem adesão parcial em várias cidades do Estado


Maior adesão ocorreu em escolas estaduais do interior de Pernambuco

Publicado em 17/03/2017, às 09:35

Rádio Jornal
Rebeca Montenegro

Foto: EBC

Deflagrada nessa quinta-feira (16), a paralisação nacional dos professores continua com adesão dividida entre as escolas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco em seu segundo dia útil. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, 13% das unidades de ensino de todo o Estado não funcionaram durante a quinta-feira.

No Recife, 10% das escolas amanheceram fechadas, enquanto em Olinda a adesão foi bem maior: 50% das escolas não funcionaram. Os dados são das Secretarias Municipais de Educação de cada cidade. Confira abaixo a reportagem de Erick França, que visitou nesta sexta-feira (17) um complexo educacional em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, e ouviu a opinião dos estudantes sobre a greve.

Interior

No Agreste do Estado, a adesão dos professores foi significativa. De acordo com a Gerência Regional de Educação (GRE) do Agreste Meridional, das 51 escolas da região, localizadas em 22 municípios, 21 unidades funcionaram normalmente, 12 funcionaram com professores temporários contratados e 18 paralisaram totalmente as atividades.

Desse número total, oito escolas funcionam em Limoeiro, sendo duas de referência e uma técnica. Poucos professores aderiram à paralisação no município, mas a Secretaria Estadual de Educação não soube informar o número exato. Os pais de alguns alunos da rede conversaram com a Rádio Jornal Limoeiro e consideram que os filhos são prejudicados pelo movimento, ainda que a luta dos professores seja válida. Ouça na reportagem de Alfredo Neto:

Nas 16 escolas que atendem Garanhuns, cinco funcionaram parcialmente nessa quinta-feira, oito aderiram à paralisação e apenas três não tiveram alterações nas atividades. Ainda de acordo com a GRE do Agreste Meridional, todas as escolas da região que estão paradas vão ter que definir um calendário de reposição das aulas perdidas.



Saiba mais na reportagem de Aurimar Ferreira, da Rádio Jornal Garanhuns:

Já em Caruaru, que está localizada na região conhecida como Agreste do Ipojuca, nenhuma escola estadual aderiu à paralisação. O município conta com 24 instituições, que funcionaram normalmente. Ouça a reportagem de Berg Santos sobre a repercussão da paralisação na cidade:

Por fim, em Petrolina, no Sertão do Estado, há 46 escolas municipais, das quais 90% estão sem funcionar. Ouça detalhes na reportagem de Marco Aurélio:

Entenda a paralisação

Os professores das Redes Estadual e Municipal de Ensino decidiram interromper as atividades contra o projeto de lei da reforma da previdência, que altera as determinações sobre a aposentadoria, e pela defesa da lei do piso nacional do magistério. A greve é nacional e acontece por tempo indeterminado.

Na próxima segunda-feira (20), uma nova assembleia da categoria em Pernambuco vai ser realizada para avaliar o movimento e definir os rumos da chamada Greve Nacional pela Educação.

Recomendados para você

Comentários

Notícia

Greve dos professores tem adesão parcial em várias cidades do Estado



Publicado em 17/03/2017, às 09:35


Rádio Jornal
Rebeca Montenegro

[IMAGEM]

Deflagrada nessa quinta-feira (16), a paralisação nacional dos professores continua com adesão dividida entre as escolas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco em seu segundo dia útil. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, 13% das unidades de ensino de todo o Estado não funcionaram durante a quinta-feira.

No Recife, 10% das escolas amanheceram fechadas, enquanto em Olinda a adesão foi bem maior: 50% das escolas não funcionaram. Os dados são das Secretarias Municipais de Educação de cada cidade. Confira abaixo a reportagem de Erick França, que visitou nesta sexta-feira (17) um complexo educacional em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, e ouviu a opinião dos estudantes sobre a greve.

[uolmais_audio 16166219]

Interior

No Agreste do Estado, a adesão dos professores foi significativa. De acordo com a Gerência Regional de Educação (GRE) do Agreste Meridional, das 51 escolas da região, localizadas em 22 municípios, 21 unidades funcionaram normalmente, 12 funcionaram com professores temporários contratados e 18 paralisaram totalmente as atividades.

Desse número total, oito escolas funcionam em Limoeiro, sendo duas de referência e uma técnica. Poucos professores aderiram à paralisação no município, mas a Secretaria Estadual de Educação não soube informar o número exato. Os pais de alguns alunos da rede conversaram com a Rádio Jornal Limoeiro e consideram que os filhos são prejudicados pelo movimento, ainda que a luta dos professores seja válida. Ouça na reportagem de Alfredo Neto:

[uolmais_audio 16166224]

Nas 16 escolas que atendem Garanhuns, cinco funcionaram parcialmente nessa quinta-feira, oito aderiram à paralisação e apenas três não tiveram alterações nas atividades. Ainda de acordo com a GRE do Agreste Meridional, todas as escolas da região que estão paradas vão ter que definir um calendário de reposição das aulas perdidas.

Saiba mais na reportagem de Aurimar Ferreira, da Rádio Jornal Garanhuns:

[uolmais_audio 16166221]

Já em Caruaru, que está localizada na região conhecida como Agreste do Ipojuca, nenhuma escola estadual aderiu à paralisação. O município conta com 24 instituições, que funcionaram normalmente. Ouça a reportagem de Berg Santos sobre a repercussão da paralisação na cidade:

[uolmais_audio 16166220]

Por fim, em Petrolina, no Sertão do Estado, há 46 escolas municipais, das quais 90% estão sem funcionar. Ouça detalhes na reportagem de Marco Aurélio:

[uolmais_audio 16166225]

Entenda a paralisação

Os professores das Redes Estadual e Municipal de Ensino decidiram interromper as atividades contra o projeto de lei da reforma da previdência, que altera as determinações sobre a aposentadoria, e pela defesa da lei do piso nacional do magistério. A greve é nacional e acontece por tempo indeterminado.

Na próxima segunda-feira (20), uma nova assembleia da categoria em Pernambuco vai ser realizada para avaliar o movimento e definir os rumos da chamada Greve Nacional pela Educação.