Notícia | ECONOMIA E NEGÓCIOS

Subir impostos para cumprir meta fiscal, diz Ministro da Fazenda


O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, cravou nesta quinta-feira (23) que o governo elevará impostos para cumprir a meta fiscal deste ano

Publicado em 24/03/2017, às 14:43

Rádio Jornal

Reprodução/Rádio Jornal

O Ministro da Fazenda afirmou que uma parte do rombo de R$ 58,2 bilhões para o cumprimento da meta de deficit primário deste ano será coberta com aumento de impostos já existentes."Uma parte dessa diferença será cumprida com mais cortes de gastos e uma parte será aumento de impostos", disse ele, citando, por exemplo, PIS/Cofins e a reoneração de algumas isenções fiscais que foram concedidas e que não tiveram efeito produtivo segundo ele, como desonerações a alguns setores.



O economista Ecio Costa comentou a declaração do ministro na Coluna Economia e Negócios

Questionado sobre a diminuição da meta de inflação e da margem de tolerância para o avanço de preços na economia, Meirelles reconheceu haver possibilidade de mudança. O tema será definido em junho, quando o alvo de 2019 será definido em reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN).


Recomendados para você

Comentários

Notícia

Subir impostos para cumprir meta fiscal, diz Ministro da Fazenda



Publicado em 24/03/2017, às 14:43


Rádio Jornal

[IMAGEM]

O Ministro da Fazenda afirmou que uma parte do rombo de R$ 58,2 bilhões para o cumprimento da meta de deficit primário deste ano será coberta com aumento de impostos já existentes."Uma parte dessa diferença será cumprida com mais cortes de gastos e uma parte será aumento de impostos", disse ele, citando, por exemplo, PIS/Cofins e a reoneração de algumas isenções fiscais que foram concedidas e que não tiveram efeito produtivo segundo ele, como desonerações a alguns setores.

O economista Ecio Costa comentou a declaração do ministro na Coluna Economia e Negócios
[uolmais_audio 16172779]

Questionado sobre a diminuição da meta de inflação e da margem de tolerância para o avanço de preços na economia, Meirelles reconheceu haver possibilidade de mudança. O tema será definido em junho, quando o alvo de 2019 será definido em reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN).