Notícia | FEMINICÍDIO

Vizinhos contam que ouviram fisioterapeuta gritar "você vai me matar?"


Edvan Luiz foi indiciado pelo assassinato da fisioterapeuta, de quem ele era vizinho. Outros moradores chamaram a polícia ao ouvir os gritos da vítima

Publicado em 06/04/2017, às 16:35

Rádio Jornal

Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem

Durante coletiva de imprensa sobre o assassinato da fisioterapeuta Tássia Mirella Sena de Araújo, de 28 anos, realizada na manhã desta quinta-feira (6) a polícia apontou todos indícios que levaram ao autor do crime. O comerciado Edvan Luiz da Silva, de 29 anos, foi indiciado por homicídio triplamente qualificado, com os agravantes de ter sido por motivo torpe, sem chance de defesa para a vítima e por feminicídio.

Após cometer o crime, o homem foi para casa e fingiu estar dormindo durante a chegada da Polícia Civil ao seu apartamento. Ele foi acordado e começou a se justificar sobre as marcas na pele, que seriam os arranhões da luta corporal que ele travou com a fisioterapeuta.

Edvan Luiz da Silva passa por audiência de custódia na tarde desta quinta-feira (6), no Fórum Joana Bezerra, na área central do Recife. 

Vizinhos relataram que ouviram os pedidos de socorro de Mirella, mas quando a polícia chegou ela já estava sem vida.

O delegado Francisco Océlio detalhou que os vizinhos contaram que os gritos de Mirella foram impedidos por um período de 10 minutos, até serem retomados. “Dessa vez ela gritou ‘você vai me matar? Você vai fazer isso comigo?’. Nesses dez minutos é que nós acreditamos que ele tentou manter relações sexuais com ela”, disse, acrescentando que o crime brutal foi de cunho sexual.

Foto: Reprodução/ Facebook

Um dos peritos do caso, Diego Costa, disse que a polícia ainda trabalha em busca de novas provas e já existe indícios de que houve estupro. Luminol foi utilizado nos dois apartamentos. Nas mãos da vítima, foram encontrados muitos fios de cabelo, possivelmente de Edvan, que é um homem com os cabelos compridos.



Gotículas de sangue foram encontradas no apartamento do comerciante. A camisa utilizada no crime foi arremessada pelo homem para o apartamento vizinho.

Entenda todas as informações da cena do crime na reportagem de Juliana Oliveira:

A fisioterapeuta Mirella tinha o hábito de deixar os apartamentos abertos, assim como outras pessoas do condomínio. O delegado Francisco Océlio disse que recebeu informações de que Edvan antes de matar Mirella, o comerciante teria filmado a mulher no banho.

Edvan é casado, mas até o momento a esposa não se apresentou.

Enterro sob forte comoção

O sepultamento de Mirella Sena aconteceu na manhã desta quinta-feira (6), no Cemitério Morada da Paz, no bairro de Santo Amaro, na área central do Recife.

A mãe, Suely Araújo, estava inconsolável. Aos prantos, a mulher pedia respostas para o crime. “Como pode, meu Deus, uma pessoa ser assassinada cruelmente? Eu perdi a minha filha e eu não quero que isso aconteça com ninguém porque ela foi assassinada brutalmente e eu não sei o que eu faço agora da minha vida”, gritava a mulher. “Eu não aceito a morte da minha filha desse jeito”, declarava a mulher.  


Recomendados para você

Comentários

Notícia

Vizinhos contam que ouviram fisioterapeuta gritar "você vai me matar?"



Publicado em 06/04/2017, às 16:35


Rádio Jornal

[IMAGEM]

Durante coletiva de imprensa sobre o assassinato da fisioterapeuta Tássia Mirella Sena de Araújo, de 28 anos, realizada na manhã desta quinta-feira (6) a polícia apontou todos indícios que levaram ao autor do crime. O comerciado Edvan Luiz da Silva, de 29 anos, foi indiciado por homicídio triplamente qualificado, com os agravantes de ter sido por motivo torpe, sem chance de defesa para a vítima e por feminicídio.

Após cometer o crime, o homem foi para casa e fingiu estar dormindo durante a chegada da Polícia Civil ao seu apartamento. Ele foi acordado e começou a se justificar sobre as marcas na pele, que seriam os arranhões da luta corporal que ele travou com a fisioterapeuta.

Edvan Luiz da Silva passa por audiência de custódia na tarde desta quinta-feira (6), no Fórum Joana Bezerra, na área central do Recife. 

Vizinhos relataram que ouviram os pedidos de socorro de Mirella, mas quando a polícia chegou ela já estava sem vida.

O delegado Francisco Océlio detalhou que os vizinhos contaram que os gritos de Mirella foram impedidos por um período de 10 minutos, até serem retomados. “Dessa vez ela gritou ‘você vai me matar? Você vai fazer isso comigo?’. Nesses dez minutos é que nós acreditamos que ele tentou manter relações sexuais com ela”, disse, acrescentando que o crime brutal foi de cunho sexual.

[IMAGEM2]

Um dos peritos do caso, Diego Costa, disse que a polícia ainda trabalha em busca de novas provas e já existe indícios de que houve estupro. Luminol foi utilizado nos dois apartamentos. Nas mãos da vítima, foram encontrados muitos fios de cabelo, possivelmente de Edvan, que é um homem com os cabelos compridos.

Gotículas de sangue foram encontradas no apartamento do comerciante. A camisa utilizada no crime foi arremessada pelo homem para o apartamento vizinho.

Entenda todas as informações da cena do crime na reportagem de Juliana Oliveira:

[uolmais_audio 16184390]

A fisioterapeuta Mirella tinha o hábito de deixar os apartamentos abertos, assim como outras pessoas do condomínio. O delegado Francisco Océlio disse que recebeu informações de que Edvan antes de matar Mirella, o comerciante teria filmado a mulher no banho.

Edvan é casado, mas até o momento a esposa não se apresentou.

Enterro sob forte comoção

O sepultamento de Mirella Sena aconteceu na manhã desta quinta-feira (6), no Cemitério Morada da Paz, no bairro de Santo Amaro, na área central do Recife.

A mãe, Suely Araújo, estava inconsolável. Aos prantos, a mulher pedia respostas para o crime. “Como pode, meu Deus, uma pessoa ser assassinada cruelmente? Eu perdi a minha filha e eu não quero que isso aconteça com ninguém porque ela foi assassinada brutalmente e eu não sei o que eu faço agora da minha vida”, gritava a mulher. “Eu não aceito a morte da minha filha desse jeito”, declarava a mulher.