Notícia | CONFIANÇA

Mesmo com crise, investidor estrangeiro segue apostando no Brasil


O economista Ecio Costa comenta essa disposição do investidor no mercado brasileiro

Publicado em 13/07/2017, às 09:45

Rádio Jornal

Foto: reprodução internet

Mesmo em período de crise econômica e política o investidor estrangeiro aposta no Brasil. É certo que o país conseguiu acumular um volume respeitável de reservas internacionais e exibir uma inflação em níveis historicamente baixos, o que o protege de possíveis choques. Mas os fluxos de recursos respondem muito mais a um cenário de ampla liquidez global e a uma disposição maior a correr riscos que coloca não só o Brasil, mas os emergentes de uma maneira geral, no centro das atenções.



O economista Ecio Costa comentou essa tendência na coluna Economia e Negócios

POR QUANTO TEMPO?

Uma saída agressiva dos investidores do mercado brasileiro não está no horizonte dos especialistas, mas os riscos a esse cenário de quase calmaria não devem ser desprezados.

O risco fiscal, por exemplo, impõe um viés de depreciação para o câmbio, ainda que de forma bastante contida.


Recomendados para você

Comentários

Notícia

Mesmo com crise, investidor estrangeiro segue apostando no Brasil



Publicado em 13/07/2017, às 09:45


Rádio Jornal

[IMAGEM]

Mesmo em período de crise econômica e política o investidor estrangeiro aposta no Brasil. É certo que o país conseguiu acumular um volume respeitável de reservas internacionais e exibir uma inflação em níveis historicamente baixos, o que o protege de possíveis choques. Mas os fluxos de recursos respondem muito mais a um cenário de ampla liquidez global e a uma disposição maior a correr riscos que coloca não só o Brasil, mas os emergentes de uma maneira geral, no centro das atenções.

O economista Ecio Costa comentou essa tendência na coluna Economia e Negócios

[uolmais_audio 16267437]

POR QUANTO TEMPO?

Uma saída agressiva dos investidores do mercado brasileiro não está no horizonte dos especialistas, mas os riscos a esse cenário de quase calmaria não devem ser desprezados.

O risco fiscal, por exemplo, impõe um viés de depreciação para o câmbio, ainda que de forma bastante contida.