Escrete de Ouro | entrevista

Presidente do Sport diz que proposta da Europa por Everton Felipe não foi firme


Arnaldo Barros disse que a proposta por Everton Felipe foi aquém do que mercado pagaria pelo jogador; presidente também falou de reforços

Publicado em 15/08/2017, às 11:17

Rádio Jornal
Antônio Gabriel

André Nery/Acervo JC Imagem

O presidente Arnaldo Barros disse que a proposta pelo atacante Everton Felipe, do Sport, feita pelo Spartak de Moscou-RUS, não foi firme, com um valor aquém do que o mercado pagaria pelo atleta. Em entrevista à Rádio Jornal, o mandatário rubro-negro esclareceu a negociação. 

Confira a entrevista com Arnaldo Barros na íntegra

"Veio uma proposta aquém daquilo que o mercado paga pelo atleta. Não foi esse valor irrisório de R$ 1 milhão como vem circulando, foi uma proposta razoável, mas não representou aquilo que imaginávamos que o atleta valeria. Não foi uma proposta firme, definitiva. O time que apresentou a proposta, fez um registro que só há vaga para um estrangeiro no time e essa vaga estava sendo objeto de preenchimento por outro atleta, e eles aguardavam o desfecho de outra proposta, e o clube foi tentar o Luan. Na verdade nem sequer rejeitamos formalmente, justamente por essa condição. Não respondo uma algo por condição", disse Arnaldo Barros.



>> Arnaldo Barros admite insatisfação e fala sobre reforços

>> Representantes de Sport, Náutico e Santa Cruz no debate da Super Manhã

Ainda dentro do assunto mercado, o presidente leonino falou sobre a busca do Sport por um meia, à pedido do técnico Vanderlei Luxemburgo. Três nomes foram ventilados pela diretoria, mas as negociações não deram certo e agora os rubro-negros esperam uma oportunidade no mercado. 

"Vanderlei chegou aqui com indicações e chegamos a três nomes. Um deles não quis vir pois está muito bem no Corinthians; o outro fez certas exigências que todos nós achamos que ele não estaria como ponto necessário e à disposição para se dedicar ao clube; e o terceiro era um nome que vinha de fora, que o clube de origem não quis liberar, embora o jogador quisesse, mas o clube dele estabeleceu um preço que fez valer o poder de pagamento de multa, inclusive era um valor que era para ser pago à vista, e não vamos fazer uma loucura tamanha. Trazer por trazer não é o caso, e temos que trazer alguém que esteja estimulado, que venha para jogar. Decidimos esperar a oportunidade de mercado", comentou o mandatário.


Recomendados para você

Comentários

Escrete de Ouro

Presidente do Sport diz que proposta da Europa por Everton Felipe não foi firme



Publicado em 15/08/2017, às 11:17


Rádio Jornal
Antônio Gabriel

[IMAGEM]

O presidente Arnaldo Barros disse que a proposta pelo atacante Everton Felipe, do Sport, feita pelo Spartak de Moscou-RUS, não foi firme, com um valor aquém do que o mercado pagaria pelo atleta. Em entrevista à Rádio Jornal, o mandatário rubro-negro esclareceu a negociação. 

Confira a entrevista com Arnaldo Barros na íntegra

"Veio uma proposta aquém daquilo que o mercado paga pelo atleta. Não foi esse valor irrisório de R$ 1 milhão como vem circulando, foi uma proposta razoável, mas não representou aquilo que imaginávamos que o atleta valeria. Não foi uma proposta firme, definitiva. O time que apresentou a proposta, fez um registro que só há vaga para um estrangeiro no time e essa vaga estava sendo objeto de preenchimento por outro atleta, e eles aguardavam o desfecho de outra proposta, e o clube foi tentar o Luan. Na verdade nem sequer rejeitamos formalmente, justamente por essa condição. Não respondo uma algo por condição", disse Arnaldo Barros.

>> Arnaldo Barros admite insatisfação e fala sobre reforços

>> Representantes de Sport, Náutico e Santa Cruz no debate da Super Manhã

Ainda dentro do assunto mercado, o presidente leonino falou sobre a busca do Sport por um meia, à pedido do técnico Vanderlei Luxemburgo. Três nomes foram ventilados pela diretoria, mas as negociações não deram certo e agora os rubro-negros esperam uma oportunidade no mercado. 

"Vanderlei chegou aqui com indicações e chegamos a três nomes. Um deles não quis vir pois está muito bem no Corinthians; o outro fez certas exigências que todos nós achamos que ele não estaria como ponto necessário e à disposição para se dedicar ao clube; e o terceiro era um nome que vinha de fora, que o clube de origem não quis liberar, embora o jogador quisesse, mas o clube dele estabeleceu um preço que fez valer o poder de pagamento de multa, inclusive era um valor que era para ser pago à vista, e não vamos fazer uma loucura tamanha. Trazer por trazer não é o caso, e temos que trazer alguém que esteja estimulado, que venha para jogar. Decidimos esperar a oportunidade de mercado", comentou o mandatário.