Notícia | POLÍTICA

Fachin autoriza prisão dos delatores Joesley Batista e Ricardo Saud


A determinação da prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud é temporária e não há previsão de quando será realizada pela Polícia Federal

Publicado em 10/09/2017, às 08:44

Rádio Jornal

Ayrton Vignola/Estadão - Reprodução

Após o procurador-geral, Rodrigo Janot, pedir a prisão do executivo da JBS Joesley Batista e do auxiliar Ricardo Saud, na última sexta-feira (08), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, acatou o pedido de prisão neste domingo (10). O motivo da autorização seria porque eles omitiram informações durante a delação, o que fere as cláusulas do acordo estabelecido. 

A determinação é temporária e não há previsão de quando será realizada pela Polícia Federal. Os passaportes dos delatores foram entregues ao Supremo na sexta-feira (09).



Havia também um pedido de Janot para que o ex-procurador da República Marcelo Miller fosse preso, mas o ministro Fachin não determinou a prisão. Como todo o processo ocorre sob segredo de justiça, não há informações das razões que levaram o ministro a não acatar o pedido.

Em uma gravação entregue no acordo de delação premiada no dia 17 de março, Joesley e Saud indicam possível participação de Miller na delação, quando ainda era procurador, destituindo-se do cargo em abril deste ano. A gravação foi entregue no dia 31 de agosto.

 Confira os detalhes com o repórter Romoaldo de Souza:


Recomendados para você

Comentários

Notícia

Fachin autoriza prisão dos delatores Joesley Batista e Ricardo Saud



Publicado em 10/09/2017, às 08:44


Rádio Jornal

[IMAGEM]

Após o procurador-geral, Rodrigo Janot, pedir a prisão do executivo da JBS Joesley Batista e do auxiliar Ricardo Saud, na última sexta-feira (08), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, acatou o pedido de prisão neste domingo (10). O motivo da autorização seria porque eles omitiram informações durante a delação, o que fere as cláusulas do acordo estabelecido. 

A determinação é temporária e não há previsão de quando será realizada pela Polícia Federal. Os passaportes dos delatores foram entregues ao Supremo na sexta-feira (09).

Havia também um pedido de Janot para que o ex-procurador da República Marcelo Miller fosse preso, mas o ministro Fachin não determinou a prisão. Como todo o processo ocorre sob segredo de justiça, não há informações das razões que levaram o ministro a não acatar o pedido.

Em uma gravação entregue no acordo de delação premiada no dia 17 de março, Joesley e Saud indicam possível participação de Miller na delação, quando ainda era procurador, destituindo-se do cargo em abril deste ano. A gravação foi entregue no dia 31 de agosto.

 Confira os detalhes com o repórter Romoaldo de Souza:

[uolmais_audio 16309379]