Notícia | Investigação

Juiz pede prisão de Cristina Kirchner, ex-presidente da Argentina


Cristina Kirchner se elegeu senadora neste ano e o senado da Argentina ainda vai decidir se tira ou não a imunidade parlamentar da ex-presidente

Publicado em 07/12/2017, às 10:20

Rádio Jornal

Foto: Agência Brasil

A ex-presidente e atual senadora Cristina Kirchner teve um pedido de prisão decretado na manhã desta quarta-feira (7) pelo juiz federal Claudio Bonadio. Kirchner é alvo de uma investigação que analisa a assinatura de um memorando entre o governo da Argentina e o Irã.

Bonadio fez o pedido de prisão preventiva alegando risco de "atrapalhar as investigações". A solicitação será levada ao senado da Argentina, que decidirá sobre a retirada da imunidade parlamentar da senadora.



Investigações

De acordo com as informações repassadas pela imprensa do país vizinho, o acordo investigado foi uma maneira da ex-presidente encobrir extremistas iranianos que teriam atacado a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em 1994. Centenas de pessoas ficaram feridas e 85 morreram.

Kirchner falou sobre o tema em outubro deste ano e disse que está sendo alvo de perseguição política do atual presidente da Argentina, Mauricio Macri.


Recomendados para você

Comentários

Notícia

Juiz pede prisão de Cristina Kirchner, ex-presidente da Argentina



Publicado em 07/12/2017, às 10:20


Rádio Jornal

[IMAGEM]

A ex-presidente e atual senadora Cristina Kirchner teve um pedido de prisão decretado na manhã desta quarta-feira (7) pelo juiz federal Claudio Bonadio. Kirchner é alvo de uma investigação que analisa a assinatura de um memorando entre o governo da Argentina e o Irã.

Bonadio fez o pedido de prisão preventiva alegando risco de "atrapalhar as investigações". A solicitação será levada ao senado da Argentina, que decidirá sobre a retirada da imunidade parlamentar da senadora.

Investigações

De acordo com as informações repassadas pela imprensa do país vizinho, o acordo investigado foi uma maneira da ex-presidente encobrir extremistas iranianos que teriam atacado a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em 1994. Centenas de pessoas ficaram feridas e 85 morreram.

Kirchner falou sobre o tema em outubro deste ano e disse que está sendo alvo de perseguição política do atual presidente da Argentina, Mauricio Macri.