Notícia | Política

Temo que Lula seja impedido de ser candidato, diz ministro do TCU


O ministro José Múcio Monteiro disse ainda que retirada de Lula da eleição pode afetar a governabilidade de quem for eleito

Publicado em 12/01/2018, às 13:38

Rádio Jornal

Foto: JC Imagem

O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio Monteiro, concedeu entrevista à Rádio Jornal nessa quinta-feira (11) e fez declarações a respeito da possibilidade de o ex-presidente Lula (PT) ser impedido de ser candidato nas eleições presidenciais de 2018. "Temo muito que o ex-presidente Lula seja impedido de ser candidato", disse o ministro do TCU.

O ex-presidente Lula pode ficar de fora das eleições de 2018 caso sua condenação no caso do triplex do Guarujá, no litoral de São Paulo, seja confirmada em 2ª Instância, enquadrando o petista na Lei da Ficha Limpa. O julgamento que pode impedir a candidatura de Lula está marcado para acontecer no próximo dia 24 de janeiro, em Porto Alegre, no Rio Grande Sul.

Ainda de acordo com Múcio, a exclusão de Lula do pleito deste ano pode trazer consequências para a governabilidade do ou da presidente que ganhar a eleição:  "Temo muito que o presidente Lula seja impedido de ser candidato. Porque se ele for impedido de ser candidato sem que haja uma prova inconteste de suas responsabilidades, do que ele está sendo acusado, quem ganhar vai ter muita dificuldade de governar. Líder político, antigamente você mandava matar ou derrotar... Vamos atualizar a frase: você para tirar a liderança dele só se for nas urnas".



Múcio defendeu ainda que, ao fazer essas declarações sobre Lula, não está fazendo proselitismo político: "Você diz assim: 'você está fazendo proselitismo político?' De jeito nenhum! Eu estou fazendo proselitismo para que nós continuemos a amadurecer a nossa democracia, que está aí imexível. Ser impedido por suposição... Voltaire dizia: 'Eu, embora pense contra você, eu morrerei defendendo o direito de você pensar'... Se nós somos democratas, a gente tem que conviver com quem pensa diferente, agora com civilidade e elegância. Vamos votar! Vamos escolher quem deve ser o melhor".

A entrevista foi concedida durante o Debate da Super Manhã, programa apresentado pelo comunicador Geraldo Freire na Rádio Jornal.

Ouça a fala de José Múcio:

Você também pode conferir a entrevista na íntegra no player abaixo:

ELEIÇÕES 2018

De acordo com as mais recentes pesquisas de intensão de votos, o ex-presidente Lula é o favorito para o cargo de presidente da República nas eleições de 2018. O petista aparece na casa dos 35% a 37%, somando mais de 20 pontos percentuais de vantagem contra o segundo colocado, o deputado federal pelo Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro. Atualmente no PSC, Bolsonaro tinha um compromisso de filiação com o PEN, que deve mudar de nome para "Patriota". No entanto, Bolsonaro confirmou nesta semana que deve disputar as eleições presidenciais pelo Partido Social Liberal (PSL).

A entrada de Bolsonaro na legenda fez com que o "Livres", corrente interna e braço de renovação do PSL, deixasse o partido por não concordar com as posições e declarações que o deputado vem defendendo durante sua vida política.


Recomendados para você

Comentários

Notícia

Temo que Lula seja impedido de ser candidato, diz ministro do TCU



Publicado em 12/01/2018, às 13:38


Rádio Jornal

[IMAGEM]

O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio Monteiro, concedeu entrevista à Rádio Jornal nessa quinta-feira (11) e fez declarações a respeito da possibilidade de o ex-presidente Lula (PT) ser impedido de ser candidato nas eleições presidenciais de 2018. "Temo muito que o ex-presidente Lula seja impedido de ser candidato", disse o ministro do TCU.

O ex-presidente Lula pode ficar de fora das eleições de 2018 caso sua condenação no caso do triplex do Guarujá, no litoral de São Paulo, seja confirmada em 2ª Instância, enquadrando o petista na Lei da Ficha Limpa. O julgamento que pode impedir a candidatura de Lula está marcado para acontecer no próximo dia 24 de janeiro, em Porto Alegre, no Rio Grande Sul.

Ainda de acordo com Múcio, a exclusão de Lula do pleito deste ano pode trazer consequências para a governabilidade do ou da presidente que ganhar a eleição:  "Temo muito que o presidente Lula seja impedido de ser candidato. Porque se ele for impedido de ser candidato sem que haja uma prova inconteste de suas responsabilidades, do que ele está sendo acusado, quem ganhar vai ter muita dificuldade de governar. Líder político, antigamente você mandava matar ou derrotar... Vamos atualizar a frase: você para tirar a liderança dele só se for nas urnas".

Múcio defendeu ainda que, ao fazer essas declarações sobre Lula, não está fazendo proselitismo político: "Você diz assim: 'você está fazendo proselitismo político?' De jeito nenhum! Eu estou fazendo proselitismo para que nós continuemos a amadurecer a nossa democracia, que está aí imexível. Ser impedido por suposição... Voltaire dizia: 'Eu, embora pense contra você, eu morrerei defendendo o direito de você pensar'... Se nós somos democratas, a gente tem que conviver com quem pensa diferente, agora com civilidade e elegância. Vamos votar! Vamos escolher quem deve ser o melhor".

A entrevista foi concedida durante o Debate da Super Manhã, programa apresentado pelo comunicador Geraldo Freire na Rádio Jornal.

Ouça a fala de José Múcio:

[uolmais_audio 16378968]

Você também pode conferir a entrevista na íntegra no player abaixo:

[uolmais_audio 16378469]

ELEIÇÕES 2018

De acordo com as mais recentes pesquisas de intensão de votos, o ex-presidente Lula é o favorito para o cargo de presidente da República nas eleições de 2018. O petista aparece na casa dos 35% a 37%, somando mais de 20 pontos percentuais de vantagem contra o segundo colocado, o deputado federal pelo Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro. Atualmente no PSC, Bolsonaro tinha um compromisso de filiação com o PEN, que deve mudar de nome para "Patriota". No entanto, Bolsonaro confirmou nesta semana que deve disputar as eleições presidenciais pelo Partido Social Liberal (PSL).

A entrada de Bolsonaro na legenda fez com que o "Livres", corrente interna e braço de renovação do PSL, deixasse o partido por não concordar com as posições e declarações que o deputado vem defendendo durante sua vida política.