CARCARÁ

Salgueiro elimina Sport e faz história no Pernambucano


No ano em que o Campeonato Pernambucano completa 100 anos, um time do interior disputa a final pela primeira vez.

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 26/04/2015 às 19:17
Leitura:
Foto: Guga Matos/JC Imagem


O Salgueiro veio para a capital jogar contra o Sport, neste domingo (26), na Arena Pernambuco, com uma vantagem de dois gols feitos em casa. Mesmo assim, a crença que o Sport reverteria a situação era forte. A falta de acertos nas finalizações, no entanto, prejudicou o Leão e o Salgueiro fez história. No ano em que o Campeonato Pernambucano completa 100 anos, um time do interior disputa a final pela primeira vez.

Foto: Guga Matos/JC Imagem


Os torcedores do rubro-negro da Ilha ficaram esperançosos quando Diego Souza abriu o placar, aos 32 minutos do primeiro tempo. Chutando uma falta em curva, Diego deixou o goleiro Luciano sem condições de defesa. No fim do primeiro tempo, Diego foi enfático e disse para o repórter Wellington Araújo: "a gente vai fazer mais um".

Não foi o que aconteceu. O Sport não marcou e perdeu gols feitos no segundo tempo, como quando Felipe Azevedo chutou para fora na cara do gol ou quando Vitor mirou a bola na rede pelo lado de fora. Para coroar a vitória do Carcará, Valdeir marcou para o Salgueiro aos 42 minutos do segundo tempo.

Após o apito do árbitro marcando o fim da partida, os jogadores do Salgueiro foram para o vestiário em festa e os rubro-negros aplaudiram o desempenho dos sertanejos na Arena PE.

Foto: Guga Matos/JC Imagem


Em entrevista, o técnico China declarou que o segredo foi sempre acreditar. "O Salgueiro é uma equipe onde o orçamento é talvez a metade do salário de um jogador do Sport. É difícil. Nós sabíamos da qualidade do Sport, sabíamos que o Sport ainda era favorito, por isso treinei muito penalidade máxima".


Para Eduardo Baptista, o Leão não foi eficiente. "Nós tinhamos que ser mais incisivos e acabamos pecando no ataque, meio, defesa". O técnico ainda afirmou que o time estava em um bom ritmo, mas titubeou nos momentos de decisão. Aos torcedores rubro-negros, sobraram as desculpas de Eduardo Baptista, que ainda disse que eles mereciam assistir o Sport na final.


HOMENAGENS - No dia do goleiro, comemorado em 26 de abril, Magrão ganhou homenagens duplas - pelo cargo e pelos 10 anos de carreira na defesa do Sport. O goleiro trocou a tradicional camisa 1 pela 10 e o meia Régis, que veste o número pelo Leão, ficou com a camisa oito.

Foto: Guga Matos/JC Imagem


Magrão também foi homenageado nos gramados. Antes do apito do árbitro, o capitão Durval entregou para o goleiro um quadro com a camisa 10.


Mais Lidas