Polêmica

"A arbitragem foi desastrosa", afirma Evandro Carvalho


Presidente da Federação Pernambucana de Futebol comentou sobre o erro no primeiro gol do Náutico contra o Afogados

Robert Sarmento
Robert Sarmento
Publicado em 04/04/2019 às 12:50
Acervo/JC Imagem
FOTO: Acervo/JC Imagem
Leitura:

A arbitragem do jogo entre Náutico e Afogados, ontem, nos Aflitos, ainda repercute. Os auxiliares Bruno César e Ricardo Jorge Nunes alteram o rumo da partida ao erraram em lances cruciais. A primeira polêmica veio no gol de Luiz Henrique, no qual o volante alvirrubro estava em posição de impedimento, mas que foi não foi marcado, e gerou revolta dos jogadores da Coruja. No segundo tempo, a situação se inverteu, e o Timbu teve gol do atacante Odilávio mal anulado. Em entrevista ao comentarista Ralph de Carvalho, o presidente da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), Evandro Carvalho, reconheceu os erros dos dois assistentes, principalmente, em relação ao primeiro gol da partida.

"A arbitragem foi desastrosa. Se eu estivesse ali teria marcado impedimento. É frustante ver tanto esforço e passar essa impressão de que a federação age contra um clube do interior. Não tem nada mais benéfico para o futebol do que ter um time do interior campeão. Mas um erro como esse tira uma equipe da competição. Eu já mandei um pedido formal de desculpas, pois eu acho que a federação tem que reconhecer. É realmente injustificável (o erro). Temos que repensar a arbitragem. Terminado as finais eu vou conversar com a diretoria e ver o que ocorre", garantiu.

Ouça a entrevista completa

Punição

O presidente também esclareceu sobre o que acontece com o árbitros ou assistentes que cometem erros durante os jogos do Campeonato Pernambucano. Segundo ele, não há "geladeira'', mas uma reavaliação, pelo qual devem passar Bruno César e Ricardo Jorge Nunes.

"Nós não temos 'geladeira'. Quando erra é por deficiência técnica, física e por falta de concentração. Quando o arbitro é sindicalizado, o que a FPF faz é devolver ao sindicato e pedir para verificar os erros e trabalhar para corrigir. Isso passa por aulas, de natureza técnica, e passa por acompanhamento de psicóloga e assistência social", informou.


Mais Lidas