Náutico

Preparador físico do Náutico comenta situação de atletas do elenco


Um dos jogadores apto para a estreia pelo Náutico é o atacante Paulinho. Ouça a entrevista completa com Walter Grassmann

Robert Sarmento
Robert Sarmento
Publicado em 10/07/2019 às 16:43
Léo Lemos/Clube Náutico Capibaribe
FOTO: Léo Lemos/Clube Náutico Capibaribe
Leitura:

O técnico Gilmar Dal Pozzo terá mais uma opção ofensiva no Náutico para o jogo contra o para o jogo contra o Ferroviário, líder do grupo A, na próxima segunda-feira (15), na Arena Castelão. Trata-se do atacante Paulinho, que já tem o nome publicado no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF e, além disso, se depender da questão física, o atleta também está em condição de fazer a estreia, de acordo com o preparador físico alvirrubro, Walter Grassmann.

"Paulinho vai participar de uma avaliação isocinético, será o sétimo teste isocinético. Fizemos o primeiro teste, foram feitos mais cinco para corrigir os déficits musculares de força que ele tinha e vai ser reavaliado. Não tendo problema nenhum, temos no papel a certeza que ele não tem mais problema nenhum, ele já está trabalhando normalmente, então será liberado para as partidas e também para jogar", disse o

Ritmo de jogo

As outras opções de ataque, recém-chegadas ao Timbu, são os jogadores Álvaro e Jefferson Nem. Ambos, curiosamente, não tiveram a contratação anunciada e apresentação oficial no clube, ainda, tendo o primeiro inclusive estreado na derrota para o Imperatriz-MA, na última partida, enquanto Jefferson Nem aguarda a regularização, mas está apto fisicamente. Ainda de acordo com o preparador físico Walter Grassmann, o que pode pesar para os dois atletas neste inicio de trajetória no Náutico é o ritmo de jogo.

"O Álvaro se enquadra na mesma situação de Jefferson Nem. Eles estavam no Guarani, vêm de um longo período sem jogar, vinham treinando, mas não estão com ritmo de competição. A Série C é muito pegada, tem um envolvimento de força muito grande e acaba exigindo mais dos jogadores. O primeiro jogo dos atletas que não vinha atuando não nos preocupa tanto, eles podem jogar 45, 70 minutos ou até o tempo todo. O que mais nos preocupa é sempre a segunda partida. Temos vários jogos-treinos durante a semana", pontuou.

Ouça a entrevista completa na íntegra feita pelo repórter João Victor Amorim

Maylson

Em relação à Maylson, a situação deve demorar mais, até por causa da gravidade da lesão na panturrilha. O atleta não entra em campo desde o primeiro jogo da final do Campeonato Pernambucano diante do Sport, no dia 14 de abril, e o retorno dele em um curto prazo ainda é desconsiderado pelo departamento físico.

"Acho precoce ainda. A lesão do Maylson foi muito desagradável, foi no grau um pouco maior, lesão de panturrilha sempre é mais perigosa, você não consegue isolar a panturrilha de qualquer tipo de atividade. Ele foi muito bem tratado pelo departamento e fisioterápico do Náutico, já começou a fazer a transição física comigo, viemos para o Maranhão e ele ficou com toda a preparação no CT do Náutico. É evidente que temos que tomar um pouco de cuidado com o Maylson pelo período que ficou sem jogar, perde todo o trabalho de força. Ele já iniciou esse trabalho conosco, já tem um ganho muito grande", concluiu Walter Grassmann.


Mais Lidas