Pagamento da folha salarial deve ser comprometida no Santa Cruz devido à paralisação

Quem admitiu isso foi o vice-presidente do Santa Cruz em entrevista para à Rádio Jornal

SANTA CRUZ
Pagamento da folha salarial deve ser comprometida no Santa Cruz devido à paralisação

Dificuldade financeira se deve muito a crise do coronavírus. - Foto: Rafael Melo / Santa Cruz

Klisman Gama | Pedro Alves

Por conta da pandemia do novo coronavírus que afeta o mundo inteiro, ainda não se sabe quando os clubes vão retomar às atividades normalmente. Por conta disso, a receita dos clubes é bem comprometida, já que fica difícil arrecadar dinheiro neste período sem jogos – seja com patrocinadores ou torcida. E essa situação se agrava ainda mais quando o clube não tem uma cota financeira da TV, como é o caso do Santa Cruz. Em entrevista ao repórter da Rádio Jornal João Victor Amorim, de acordo com o vice-presidente da equipe coral, Tonico Aráujo, o Tricolor só tem como garantida a folha de março.

“Nós vamos cumprir a folha de março, agora depois não sei se vamos conseguir cumprir. As empresas que são patrocinadoras até agora sim, vão manter. Agora se essa empresa ver que não tem condições nem de pagar aos funcionários dela, não deve pagar um patrocínio. Para a próxima folha não tem dinheiro em caixa agora, mas vai ter porque vai receber dos patrocinadores”, explicou.

AJUDA DA TORCIDA

Durante a entrevista, o vice-presidente coral também ressaltou que a torcida é fundamental para o Santa Cruz conseguir minimizar os danos financeiros diante da paralisação indeterminada por conta do coronavírus. “A ideia inicial é sobreviver as pessoas e, depois, temos que cuidar naturalmente das empresas e uma delas, eu chamaria assim, que é o Santa Cruz. Estamos mantendo um bom relacionamento com nossos patrocinadores, sabendo das dificuldades que eles têm, tentando sobreviver nessa crise que ninguém sabe até quando vai. Nenhum patrocinador tem demonstrado desejo de deixar de cumprir os compromissos que tem com o Santa Cruz devido à crise. Até agora, nenhum”, explicou.

“Então nós temos uma dificuldade maior que os outros co-irmãos, que também vão ter dificuldade, mas esses têm cotas de televisão e nós não temos, então a dificuldade é maior. E também fazemos um apelo a torcida do Santa Cruz que ajude, não deixe de pagar a mensalidade e, se possível, se associe ao Santa Cruz. Nós temos caminhado em termos de organização, cumprindo compromissos que assumimos no passado, e no futebol o time vem se organizando. Mas a gente precisa fazer com que a equipe seja mantida. Estávamos em vista quatro reforços para fortalecer para a Série C e com essa crise deu uma parada. Com a ajuda do torcedor a gente vai para frente e a crise vai passar”, finalizou o mandatário coral.