Clubes-empresas e Fair Play Financeiro podem ser soluções para crise do futebol pós-pandemia

Clubes de futebol estão tendo quedas de faturamento no período de paralisação do futebol

REINVENTAR-SE OU VIVER ENDIVIDADO?
Clubes-empresas e Fair Play Financeiro podem ser soluções para crise do futebol pós-pandemia

Sport tem uma cobrança de 907.500 mil euros do Sporting-POR na Fifa pelo atacante André. - Foto: Foto: JC Imagem

Pedro Alves | Twitter: @PedroAlvesn99

“Clubes-empresa”. Sem dúvidas esse é um dos termos que mais vem sendo usado e implementado no futebol nos últimos anos. Questionado ou não, talvez seja a melhor saída para a saúde alguns clubes de futebol - em especial no Brasil - no período pós-pandemia causada pelo novo coronavírus.

O maior exemplo de uma clube-empresa no cenário do futebol Brasileiro é o RB Bragantino, que é formado da junção do Bragantino (tradicional equipe do interior de São Paulo) e o Red Bull Brasil, equipe fundada em 2007 e que subiu degrau a degrau até a elite do futebol paulista. Planejado ou por sorte, a união dos clubes dentro de campo aconteceu no Campeonato Brasileiro da Série B 2019, mesma temporada em que não houve a “cláusula paraquedas”, em que equipes da Série A cairiam como um aporte financeiro similar ao de um clube de primeira divisão.

Enquanto os clubes da Série B recebiam entre R$ 8 milhões e R$ 6 milhões, a empresa Austríaca investiu R$ 45 milhões só no futebol. No final da temporada, a nova equipe RB Bragantino conquistou o título da Segundona e em 2020, se prepara para a disputa da Primeira Divisão, onde já tinha investido mais de R$ 80 milhões só em contratações. 

Se o RB Bragantino é um exemplo de sucesso, podemos dizer que outros não tiveram a mesma sorte. Como é o caso do Figueirense. A equipe Catarinense se tornou um clube-empresa em 2017, com a administração da empresa Elephant, foi campeão estadual em 2018, mas desde então começaram os problemas. O cenário de dificuldade do Figueirense ficaram escancaradas para o Brasil em 2019, quando salários de funcionários foram atrasados, chegando ao ponto dos jogadores se recusaram a entrar em campo na partida contra o Cuiabá, sendo decretado assim o W.O. O contrato entre o Figueirense e a empresa Elephant tinha duração de 20 anos, mas que foi rescindido em seu segundo ano.

O Botafogo é uma equipe brasileira que está em processo para se tornar um clube-empresa. No final de 2019, o Conselho Deliberativo alvinegro aprovou com unanimidade a migração. Com a pandemia agravando a crise financeira do clube carioca - dívida gira em torno de R$ 1 bilhão -, o Botafogo estuda antecipar a migração até a metade do ano ou a saúde financeira será afetada drasticamente.

A saída de um clube-empresa pode ser uma opção para o Cruzeiro, por exemplo. A equipe mineira está envolvida em escândalos por desvio de dinheiro por parte de ex-presidentes, que vêm sendo investigado pela Polícia Federal. Em 2019, a raposa teve um déficit de R$ 394 milhões (mais de R$ 1 milhão por dia), inclusive, já foi punida pela Fifa com a perda de seis pontos na Série B pelo não pagamento da dívida de R$ 5 milhões com o Al Wahda, do Emirados Árabes, pelo volante Denilson. Os esmeratinos ainda estão sujeitos a serem rebaixados para a Série C, caso não efetue os pagamentos de outras dívidas, sofrendo assim uma sanção mais pesada da maior entidade do futebol.

A situação do Cruzeiro assustou a torcida do Sport, que está em um processo semelhante com a dívida pelo atacante André junto ao Sporting-POR, no valor de 907.500 mil euros. Leão estourou todos os prazos impostos pela Fifa, correndo o risco de ser punido. No entanto, a situação do Rubro-negro está próximo de um desfecho. De acordo com o vice-presidente jurídico do Sport, Manoel Veloso, o clube vai conseguir um empréstimo financeiro para a o pagamento à equipe portuguesa.

Situação essa que também foi confirmada pelo presidente da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), Evandro Carvalho, em entrevista para a Rádio Jornal. “O cenário do Sport é diferente. Não temos preocupação com o Sport e acreditamos que estamos perto de uma solução do caso André com a Fifa que até o momento é a única”, afirmou. Talvez não seja. Na sexta-feira, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vetou o Sport de regularizar jogadores. O bloqueio aconteceu por orientação do Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem (CBMA). 

Mesmo assim, débitos de gestões passadas continuam afetando brutalmente o Sport, que teve sua situação financeira agravada com a paralisação do futebol. Assim como o Cruzeiro, torna-se um clube-empresa poderia ser uma saída para a saúde financeira da instituição. Fato que se acontecesse seria aceito pela FPF, mesmo não sendo a melhor opção, segundo Evandro.

“É uma opção única e exclusiva da entidade privada através de seus órgãos internos. Para as Federações, CBF e Fifa é irrelevante se o clube é constituído de forma mercantil. ou se ela quer ser um clube associativo, sem fins lucrativos e que investe o dinheiro só no futebol. Para o futebol o clube empresa não  é o ideal. Porque o recurso dele que hoje é voltado para o futebol, ele sendo empresa terá que voltar parte desse valor para os acionistas por exemplo”, disse o mandatário. 

“Em ponto de vista do futebol, eu entendo que você vai pegar o bolo que era destinado para o futebol e vai tirar alguns por centos para acionistas e enfraquecer as receitas. Cada um tem seu modelo e eu entendo que o importante é a gestão. O Sport passou por ascensão no Brasil e no mundo. O Atlético PR não é clube empresa e tem uma gestão maravilhosa. A Luverdense é clube empresa e hoje fecharam. O melhor negócio é um bem administrado e o pior é o mau administrado”, completou.

Fair Play Financeiro

Outra medida que pode evitar problemas financeiros futuros e controlar os gastos dos clubes é o Fair Play Financeiro. Clubes da Europa já convivem com o controle implementado pela Fifa há algumas temporadas. No Brasil, a CBF pretendia adotar o Fair Play Financeiro nesta temporada a partir do Campeonato Brasileiro, entrando de forma gradativa ao longo de quatro anos.

O Fair Play Financeiro serviria para melhorar a capacidade econômica dos clubes e proteção aos clubes ao comprar/vender jogadores tendo a garantia de que vai pagar/receber em uma negociação. Garantindo também um controle real nos gastos dos clubes, gastando apenas o faturamento daquela temporada. Caso não seja cumprido, o clube será punido não podendo inscrever atletas pelo período de três janelas de transferências ou um ano e meio.

Os clubes que não cumprirem com suas obrigações de fair-play financeiro podem ser investigado, como Paris Saint-German (PSG) já foi e escapou na prorrogação, e  receber punições severas, como o Manchester City, que foi banido das próximas duas edições da Liga dos Campeões da Uefa, e o Milan, que ficou de fora da atual edição da Liga Europa.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.