Para quitar dívida de mais de R$ 3 mi com ex-volante, garagem de remo do Náutico volta a leilão

O ex-volante Martinez defendeu o Náutico nas temporadas 2012 e 2013 e cobra mais de R$ 3 milhões na Justiça do Trabalho

FUTEBOL
Para quitar dívida de mais de R$ 3 mi com ex-volante, garagem de remo do Náutico volta a leilão

O prédio utilizado como garagem do departamento de remo do Náutico - Foto: Reprodução / Google Street View

Do JC Online

Não é de hoje que o departamento jurídico do Náutico vem convivendo com inúmeras ações trabalhistas contra o clube. É bem verdade que, na sua maioria, as reivindicações judiciais de ex-jogadores, ex-técnicos e ex-funcionários são de gestões anteriores. Entretanto, a conta está chegando, já que muitos casos estão em processo de execução (quando já houve a condenação e a Justiça determina o clube a pagar, por vezes, em casos sem acordo entre as partes, ordenando a penhora de bens da instituição para a quitação do débito trabalhista). E, na última sexta-feira (7), a direção alvirrubra tomou ciência de mais uma intimação judicial ordenando o leilão de um patrimônio do clube, desta vez, para o pagamento da ação movida pelo ex-volante Martinez.

O agora ex-jogador, que está com 40 anos, atuou pelo Timbu nas temporadas de 2012 e 2013, ganhou a ação movida contra o clube, com a Justiça do Trabalho obrigando o Náutico a pagar a milionária quantia de R$ 3.332.631,90. Como o departamento jurídico alvirrubro, durante o curso do processo, não fez acordo - alegou não ter verba para pagar a dívida -, o Juiz Hélio Luiz Fernandes Galvão, da 5ª Vara do Trabalho do Recife, assinou despacho autorizando a publicação do edital de leilão do imóvel da garagem do Remo do Náutico, localizada na Rua da Aurora, no bairro de Santo Amaro, para pagamento da ação movida por Martinez, que acionou o clube na Justiça em 2014.

De acordo com o despacho assinado pelo Juiz da 5ª Vara do Trabalho do Recife, o leilão, por arrematação pública, está marcado para ser realizado no dia 7 de outubro de 2020, às 9h, apenas por modalidade online - no site do leiloeiro designado. Ainda segundo a intimação judicial: "Caso não haja licitante ou dê-se indeferimento do lanço vencedor, o(s) bem(ns) será(ão) alienado(s) em segundo leilão designado para encerrar-se em sessão virtual a ser realizada no dia 09/11/2020 no mesmo horário acima especificado, novamente pelo maior lanço ofertado".

O prédio de número 1193, da rua da Aurora, em Santo Amaro (garagem de Remo do Náutico), foi avaliado pela Justiça do Trabalho em R$ 3.288.000,00, ou seja, mesmo que o imóvel seja arrematado pelo valor da avaliação, o Timbu ainda ficaria com um saldo devedor de R$ 44.631,90 (diferença para o valor da execução da causa).

SUSPENSO

Outro que acionou o Náutico na Justiça do Trabalho cobrando pendências trabalhistas foi o técnico Givanildo Oliveira - valor da execução foi deR$ 517.829,86. Em maio, o clube recebeu a intimação sobre o leilão da garagem do Remo para pagamento do ex-treinador, mas o departamento jurídico do clube conseguiu suspender no mês passado o leilão, via Justiça, por encontrar um erro no edital publicado. Entretanto, como não houve a quitação do débito e tão pouco acordo com Givanildo, o edital do novo leilão deve ser remarcado pela Justiça.

Em julho, o jurídico timbu chegou a afirmar que o clube alvirrubro tem mais de 400 ações trabalhistas pendentes e que juntas somam um montante de cerca de R$ 50 milhões em dívidas judiciais.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.