Diógenes Braga quebra silêncio e diz que o Náutico vai sair dessa situação

Vice-presidente do Náutico não vinha aparecendo em entrevistas, mas conversou com a Rádio Jornal na manhã desta quarta-feira

CONFIANÇA
Diógenes Braga quebra silêncio e diz que o Náutico vai sair dessa situação

Diógenes Braga concedeu entrevista à Rádio Jornal - Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem

Lucas Holanda | Twitter: @Lholandaa

Na manhã desta quarta-feira, um dia depois da importante vitória do Náutico diante do Guarani, o vice-presidente do clube, Diógenes Braga, quebrou o silêncio e conversou com Ralph de Carvalho, comentarista da Rádio Jornal, durante o programa Bate Rebate, apresentado pelo comentarista. No longo papo, vários assuntos foram debatidos com o mandatário alvirrubro. Um deles, óbvio, a importância de voltar a vencer após um longo jejum na Série B. Além disso, o vice-presidente do Timbu destacou a importância de aliar três pilares para o Náutico reagir: a técnica, física e a insistência nos objetivos, algo que foi fundamental para o Alvirrubro voltar a vencer, de acordo com Diógenes.

"A gente tem trabalhado muito. Como você falou, a gente estava reticente em falar. A gente tem adotado muito a estratégia de focar no trabalho. O que posso falar é que existe um nível muito grande de compromisso de quem faz o Náutico hoje. Todo mundo muito focado em tirar o Náutico dessa e, se Deus quiser, a gente vai conseguir. Não é só a capacidade técnica e física (do gol de Kieza), mas é ele não desistir até fazer o gol. Não só pela questão do gol em si, mas também pela necessidade de trazer a vitória. Posso te dizer, pelo que a gente acompanha no dia a dia, o Kieza é muito merecedor desse gol por tudo que ele tem feito, pelo amor dele com o clube e tudo que ele tem se esforçado para tirar o clube dessa situação. Foi muito merecido que ele fizesse aquele gol", explicou.

"A gente olha para o nosso desempenho e também olha para os outros. A gente tem as nossas dificuldades mas os concorrentes também têm. E a gente vem num viés de ascensão, de crescente. Então a gente tem um cenário evolução, enquanto os concorrentes ali estão tendo dificuldades. A gente precisava dessa vitória pelo aspecto de confiança. Quando você passa esse jejum todo, não baixa a guarda e, apesar de tudo, se fortalece e entra em campo brigando mais ainda, isso passa muita confiança. Sim, a gente vai sair dessa situação. Fundamental o apoio que a gente vem recebendo e a alegria das pessoas pela vitória ter saído. O ambiente interno é de muito compromisso com o clube e com tudo que está sendo feito. Com muita luta, não vai ser fácil, mas a gente vai sair dessa situação, sim", completou.

No Náutico há quatro rodadas, Hélio dos Anjos vem conseguindo dar uma cara competitiva para o Timbu. Foram quatro pontos conquistados em 12 disputados, mas a sensação é de que o desempenho do Timbu poderia ter arrancado uma pontuação ainda melhor, sobretudo diante de Juventude e Vitória, jogos em que o Alvirrubro perdeu e empatou, respectivamente. Para Diógenes Braga, além da experiência e do conhecimento de futebol do treinador, um aspecto fundamental que ele conseguiu melhorar no clube foi no emocional dos atletas, recuperando algumas peças, como o lateral-direito Hereda.

"Passa muito pelo motivacional. O aspecto psicológico pesa demais. Às vezes a gente acha que o desempenho do atleta dentro de campo depende apenas da qualidade técnica, mas não é. O aspecto psicológico é muito importante. O grande mérito de Hélio é muito do fator motivacional. Experiência enorme, estou muito impressionado. Fora a experiência e o conhecimento de futebol, a capacidade psicológica dele é muito grande. De motivar atletas, de fazer os atletas desempenharem o que podem. Hereda, por exemplo, voltou a ser o Hereda que vinha sendo. A gente viu o que ele fez com Hereda. Então o aspecto motivacional de Hélio vem sendo preponderante para esses atletas desempenharem bem", afirmou Diógenes Braga.

 

PARA DIÓGENES BRAGA, JOGOS SEM PÚBLICO ESTÃO PREJUDICANDO O NÁUTICO

A campanha do Náutico como mandante na Série B é muito aquém do que o clube e torcida esperavam. Por mais que os jogos aconteçam sem público, os alvirrubros acreditavam que os Aflitos seria um trunfo especial para o Timbu no torneio. Foram apenas três triunfos do Náutico na Segunda Divisão, o que comprova o baixo desempenho. Para Diógenes Braga, a falta de público é um dos fatores que mais prejudica o rendimento do Timbu.

"Por exemplo, posso dizer para você que o que mais está fazendo falta para a gente é a torcida. Afirmo: duvido que se os jogos tivessem com público a gente estivesse na final. Duvido que a gente levasse aqueles gols no fim do jogo, mas infelizmente vai ter que ser assim. É um campeonato completamente diferente, e talvez a gente tenha demorado um pouco a jogar esse campeonato sem torcida, que é muito diferente. E os atletas sentem. Não ter a presença da torcida (faz com que) a comunicação da torcida seja em redes sociais. E, num momento ruim do clube, é natural que surjam uma quantidade muito grande de críticas. E aí existem atletas que têm um lastro e suportam bem isso, e atletas que sentem", explicou.

Com 24 pontos, o Náutico está na 17ª posição, com quatro pontos a menos que o Cruzeiro, 16º com 28 pontos e que joga nesta quarta-feira, diante do América-MG. No entanto, o Timbu torce para que a Raposa não vença. Se o time mineiro triunfar, aí o 16º será o Paraná, que está na 15ª posição com 29 pontos e foi goleado por 4x1 pelo Vitória na última terça-feira. O próximo jogo do Náutico é no domingo (6), fora de casa, contra o Figueirense, às 16h.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.