ENTREVISTA

Volante revela chateação e conversa com Martelotte após perder titularidade do Santa Cruz


Contra o Vila Nova, o prata da casa André de 20 anos vai iniciar jogando devido a suspensão de Bileu

Filipe Farias
Filipe Farias
Publicado em 09/01/2021 às 12:43
Rafael Melo/ Santa Cruz
FOTO: Rafael Melo/ Santa Cruz
Leitura:

De volta a titularidade. Após muitos pedidos dos torcedores, o volante André terá novamente a oportunidade de iniciar uma partida pelo Santa Cruz. Neste sábado (9), contra o Vila Nova, pela 5ª rodada do quadrangular final da Série C, o garoto de 20 anos assume a posição de Bileu, que cumpre suspensão após ter sido expulso contra o Ituano.

Em entrevista ao repórter João Victor Amorim, o prata da casa foi sincero e não escondeu a chateação por ter perdido a posição de titular com a chegada do técnico Marcelo Martelotte. "Primeiramente, eu fiquei chateado. Muito mesmo. Martelotte veio conversar comigo individualmente, me explicou algumas coisas que pra mim era novo, já que estou no meu primeiro ano de profissional. Joguei minha base toda como titular e de capitão. Então, ir para o banco é novo. Mesmo sendo o primeiro primeiro ano no profissional, eu sou um dos jogadores que mais atuou. Não gostei de ir para o banco porque todo atleta quer jogar e ajudar o time. Mas eu respeitei a decisão, não criei atrito com ninguém. Tenho respeito pelo professor Martelotte e por Bileu, que é um jogador de importância no grupo. Queria ganhar a posição dentro de campo, infelizmente aconteceu dessa forma, com a expulsão dele. Espero agarra essa oportunidade com toda força. Mas, se no último jogo, Bileu voltar, vou entender a preferência do técnico. Isso acontece. É do futebol e estou aprendendo", contou André.

Como nos últimos jogos o cabeça de área vem ficando no banco de reservas, ele reconhece que a parte física muda quando não se joga com frequência. "Senti a parte física (no último jogo), porque tiveram jogos que Martelotte não quis me usar e nem entrei nos 90 minutos. Mas a parte de entrosamento não senti diferença nenhuma, nem nos treinos e nem nos jogos. Conheço bem Paulinho, Didira e Chiquinho. Acredito que eu entrando no meio de campo, a saída de bola melhora. Didira não precisa voltar tanto para buscar a bola. Falo isso sem criticar as características do Bileu, mas é a minha característica dar esses passes", explicou o jovem atleta.

Confira a entrevista completa


Mais Lidas