Rebeca Andrade já tem medalha de ouro, de prata e ainda pode ganhar mais nas Olimpíadas de Tóquio; veja a próxima prova

A ginasta já conquistou duas medalhas, nos Jogos Olímpicos de Tóquio

MEDALHISTA
Rebeca Andrade já tem medalha de ouro, de prata e ainda pode ganhar mais nas Olimpíadas de Tóquio; veja a próxima prova

Rebeca Andrade conquistou ouro para o Brasil na ginástica artística, conquistou a prata e pode conquistar nova medalha - Foto: Julio Cesar Guimarães / COB

A ginasta Rebeca Andrade conquistou, neste domingo (1º), a primeira medalha de ouro na ginástica artística para o Brasil, nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Ela venceu no salto e alcançou o lugar mais alto no pódio. Na quinta-feira (29), ela levou a prata no individual geral. 

A ginasta ainda tem chance de ganhar mais uma medalha, nesta edição já histórica das Olimpíadas, para o Brasil. Rebeca ainda tem chance de aumentar a sua coleção na final do solo, que será disputada nesta segunda (2), às 6h.

>> Olimpíadas hoje: veja horários de jogos do Brasil nesta segunda (2) e quadro de medalhas atualizado

 

O ouro

Rebeca conseguiu a nota 15,083 de média, após 15,166 no primeiro salto e 15,000 no segundo. A medalha de prata ficou com a norte-americana Mykayla Skinner, que obteve 14,916, e o bronze com a sul-coreana Yeo Seojeong, com 14,733.

 

>> Olimpíadas de Tóquio: em novo show, Rebeca Andrade conquista o ouro na final do salto da ginástica

>> Rebeca Andrade: da falta de dinheiro para seguir o sonho, ao 'baile de favela' com prata histórica nas Olimpíadas de Tóquio

 

 

A prata

Rebeca somou, ao final dos quatro aparelhos, 57.298 pontos. A ginasta brasileira foi atrás somente da norte-americana Sunisa Lee (57.433) e à frente de Angelina Melnikova, do Comitê Olímpico Russo (ROC, sigla em inglês) que totalizou 57.199.

Sobre Receba

A paulista Rebeca Andrade, de 22 anos, fã da campeã mundial Daiane dos Santos, com essas duas conquistas, é a primeira brasileira na ginástica artística a conquistar o ouro e a prata em uma mesma edição dos Jogos Olímpicos.

Antes de chegar aos dois pódios em Tóquio, a ginasta passou pela última de três cirurgias no joelho em meados de 2019, após romper o ligamento cruzado anterior do joelho pela terceira vez em quatro anos.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.