ENTREVISTA

Mesmo morando nos EUA, Rivaldo revela que acompanha o Santa Cruz e demonstra preocupação: 'situação difícil'


Ex-jogador, de 49 anos, foi revelado nas categorias de base do Tricolor e se tornou o melhor jogador do Mundo, em 1999, além de campeão mundial de 2002

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 10/09/2021 às 21:38
Reprodução/ @Betfair_net
FOTO: Reprodução/ @Betfair_net
Leitura:

Eleito melhor jogador do Mundo pela Fifa, em 1999, o pernambucano Rivaldo não esconde a preocupação a o atual momento do Santa Cruz. Mesmo morando em Orlando, nos Estados Unidos, o ex-jogador de 49 anos segue acompanhando à distância o clube que o revelou. Em entrevista ao canal Camisa 21, do Youtube, o campeão da Mundial de 2002 não demonstrou muito otimismo de a Cobra Coral escapar do rebaixamento à Série D.

"Acompanho o Santa Cruz. Está numa situação difícil, na Terceira Divisão e quase indo para a Quarta Divisão. Ainda tem quatro jogos (a entrevista foi feita antes do jogo contra o Paysandu, mas só foi ao ar nessa semana - restam três partidas) para jogar e tentar escapar (do rebaixamento). É um clube grande, mas que passa por um momento difícil", declarou Rivaldo.

O ex-meia-atacante ressaltou o carinho que não só ele, mas todos os seus familiares têm pelo Tricolor do Arruda. "Além de eu acompanhar, a minha família inteira torce para o Santa Cruz. Eu fico sabendo de tudo que acontece com o Santa", contou.

A equipe do Santa Cruz ocupa a lanterna do Grupo A, da Terceira Divisão, com apenas 11 pontos. Agora, entra em campo neste sábado (11) para encarar o Altos, às 17h, no estádio do Arruda. Após esse confronto, terá mais dois jogos: ante Tombense (fora) e Botafogo-PB (casa).

SONHO TRICOLOR

Paixão que veio do berço e se transformou em um sonho... De vestir a camisa coral. "Meu sonho sempre foi o de ser profissional do Santa Cruz. Esse era o meu sonho. Quando você está no Nordeste, o Santa Cruz é um time grande de Pernambuco e eu queria ser jogador, pois a minha família é tricolor. Então, o meu sonho era aquele. As coisas foram acontecendo, o meu sonho aumentando, mas jamais pensei quando criança ou adolescente pobre, que um dia iria ser considerado o melhor jogador do Mundo, ser campeão pela seleção brasileira e jogar no barcelona. Isso não passava pela minha cabeça", disse Rivaldo.

 

"Eu já vendi picolé, sonho, pastel, amendoim, algodão doce... Fiz tanta coisa na minha infância. Tinha de trabalhar estudar e jogar. Minha infância foi muito dolorida, mas, graças a Deus, consegui vencer. Joguei no profissional do Santa Cruz, depois que fui pra Mogi (Mirim) e comecei minha trajetória", concluiu.


Mais Lidas