play_circle_outline
Jornada Esportiva

Escrete de Ouro

access_time

22:00

Resumo Final

Marcelo Araújo

access_time

23:00

Coisas de Pet

Priscila Miranda e Amanda Rainheri

play_circle_outline
Jornada Esportiva

Escrete de Ouro

access_time

22:00

Resumo Final

Marcelo Araújo

access_time

23:00

Coisas de Pet

Priscila Miranda e Amanda Rainheri

search close
SPORT

"Não há pendência judicial", afirma Carlos Frederico sobre Sport

O Sport trabalha para amenizar uma dívida de 18 milhões de reais com a Rede Globo

Conselho Deliberativo do Sport precisa aprovar o Balanço Financeiro antes de publicá-lo
Conselho Deliberativo do Sport 
Filipe Farias/ editoria de Esportes do JC

Os problemas na Praça da Bandeira parecem não ter fim! A novela envolvendo a situação financeira  do Sport ganha um novo capítulo a cada dia. O clube enfrenta um embate judicial com a Rede Globo, emissora que detém os direitos televisivos referentes a transmissão do Campeonato Brasileiro da Série B. A dívida que gira em torno dos R$ 18 milhões, desde a gestão de Humberto Martorelli, foi contraída devido a uma antecipação de recursos.  Como meio de amortizar a dívida, a Globo bloqueou R$ 6 milhões do clube rubro negro. Esse dinheiro é referente a cota recebida para a disputa da segunda divisão.  

Em entrevista ao repórter do JC,  Filipe Farias, o dirigente do Sport, Carlos Frederico, explicou que disputa é meramente administrativa. "Não há nenhuma briga judicial, nenhuma pendência judicial nesse sentido. Há um contrato firmado por gestões anteriores do Sport, de antecipação de recursos no valor de 18 milhões que já foi explicado ao nosso conselho, já foi explicado também a alguns órgãos de comunicação, e esse contrato deveria ser quitado em duas parcelas de 9 milhões. A primeira em 2019 e a segunda em 2020. A pendência que está havendo agora é só uma discussão administrativa entre o Sport e a televisão, onde a gente que tentar minimizar ao máximo esse desconto em 2019, já que nossa cota caiu para 6 milhões. Ou seja, nosso interesse é pagar o que devemos, mas em duas parcelas (2020 e 2021). As conversas avançaram, mas ainda não chegamos a um acordo", concluiu.  

Ouça o áudio da entrevista: 

 


COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.