play_circle_outline
Rádio Livre

Anne Barreto e Rhaldney Santos

access_time

16:00

Balanço de Notícias

Wagner Gomes e Igor Maciel

access_time

18:00

A Hora do Ângelus

Ave Maria

play_circle_outline
Rádio Livre

Anne Barreto e Rhaldney Santos

access_time

16:00

Balanço de Notícias

Wagner Gomes e Igor Maciel

access_time

18:00

A Hora do Ângelus

Ave Maria

search close
INVESTIGAÇÃO

Reunião do CD do Sport decide afastar Arnaldo Barros e Martorelli do quadro de sócios

Além da suspensão, o Ministério Público vai investigar os ex-presidentes do clube

Reunião do CD do Sport decide afastar Arnaldo Barros e Martorelli do quadro de sócios
Arnaldo Barros foi presidente do Sport no biênio 2017/2018 - Foto: Foto: André Nery/ JC Imagem
Filipe Farias
Pedro Alves

Após reunião ordinária do Conselho Deliberativo do Sport, realizada na noite desta terça-feira (13), ficou decidido que os ex-presidentes João Humberto Martorelli e Arnaldo Barros estão suspensos de suas atribuições estatutárias. A decisão foi tomada em votação unânime, entre os 71 conselheiros que compareceram ao encontro, com base no relatório apresentado pela comissão especial responsável por analisar as contas do clube das duas últimas gestões. Além disso, o CD rubro-negro vai acionar o Ministério Público para investigar as contas do Sport e uma Assembleia Geral será convocada para deliberar que o Sport possa processar os ex-dirigentes por má e temerária gestão, como prevê no estatuto do clube – a ação seria na Justiça Cível para que haja uma eventual indenização à entidade.

“Essa é uma atitude de responsabilização disciplinar administrativa. Isso se dá por conta do estatuto. Os sócios que cometam faltas disciplinares podem receber punições. A falta disciplinar que foi verificada pela comissão e acatada pelo Conselho foi causar dano ao Sport. Essa falta funcional é passível, segundo o estatuto, da pena máxima, que é a exclusão do próprio quadro social. A competência para excluir o sócio é do Conselho. Com a instauração do processo ele (Martorelli e Arnaldo) já ficam suspensos. Vai se encaminhar a representação disciplinar para a comissão de ética, que vai se responsabilizar de notificá-los, oportunizar defesa e o regimento do conselho permite também a constituição de advogado. E aí se marca a sessão para o julgamento”, explicou Ricardo Sá Leitão, vice-presidente do Conselho Deliberativo do Sport.

Ex-presidente do Sport, João Humberto Martorelli
Ex-presidente do Sport, João Humberto Martorelli que também será investigado pelo MP.
Acervo/JC Imagem

Os principais pontos destacados pela comissão especial responsável por averiguar as contas do clube foram a redução do patrimônio líquido do clube, que em dezembro de 2015 estava em cerca de R$ 115 milhões e em dezembro de 2018 caiu para R$ 20,4 milhões. Outro ponto abordado na apresentação do relatório para o Conselho Deliberativo foi o crescimento das dívidas tributárias, que segundo a comissão saltou de pouco mais de R$ 2,8 milhões (em dezembro de 2015) para R$ 59 milhões (em dezembro de 2018).

“Tivemos um faturamento de R$ 400 milhões (nas duas últimas gestões), mas não sabemos onde todo esse dinheiro foi parar. Não tivemos acesso ao fluxo de caixa. Pelos números apresentados no balanço, tiveram gastos com despesas, mas não temos como saber o que exatamente aconteceu. Diversas despesas estão no balanço, no passivo do clube, e que não foram pagos… Como fornecedores, impostos e até atletas que adquirimos, como o caso André (o Sport ainda estaria devendo o Sporting, de Portugal). Infelizmente, os números mostram uma queda absurda de patrimônio de aproximadamente R$ 90 milhões”, declarou o conselheiro Fábio Monterazzo, um dos membros da comissão que analisou as contas do Sport.

ACIONAR MINISTÉRIO PÚBLICO

Diante do que foi exposto na reunião, os conselheiros presentes também aprovaram que o Conselho acione o Ministério Público para investigar as contas do Sport nos últimos anos. “Vamos encaminhar as informações, as conclusões do relatórios, a documentação comprobatória, para que o Ministério Público Estadual e Ministério Público Federal examinem se há, de fato, algum ilícito. O que houve aqui foi a identificação de umas situações anormais e que demandam uma maior identificação. Cabe o Ministério Público verificar com seus poderes investigativos, se há algum indício de que houve algo mais que uma gestão ruim e propor eventuais ações penais”, falou Ricardo Sá Leitão.


COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.