Náutico vacila e perde de virada para Juventude em decisão pela Série C

Os times voltam a se enfrentar próximo domingo (22), no estádio dos Aflitos

SÉRIE C
Náutico vacila e perde de virada para Juventude em decisão pela Série C

O time alvirrubro largou na frente, mas levou a virada nos minutos finais de jogo - Foto: Léo Lemos/Náutico

Rádio Jornal

 O time alvirrubro largou na frente, mas levou a virada nos minutos finais de jogoO time alvirrubro largou na frente, mas levou a virada nos minutos finais de jogo

Léo Lemos/Náutico 

Com informações de Davi Saboya da editoria de esportes do JC -  O Náutico pagou caro pelo vacilo. Apesar de uma boa postura na partida, o final do jogo deixou a desejar na reta final do confronto. O erro defensivo do zagueiro Fernando Lombardi gerou o empate, o Timbu sofreu e tomou a virada em uma pressão do adversário nos últimos minutos. Resultado, o Alvirrubro pernambucano perdeu por 2×1, de virada, para o Juventude, neste domingo, no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul (RS). Os gols do primeiro jogo entre as equipes pelas semifinais da Série C do Campeonato Brasileiro foram marcados pelos atacantes Álvaro e Poveda, além do lateral-esquerdo Eltinho, em uma cobrança de falta.

Marca do Náutico do técnico Gilmar Dal Pozzo, o Timbu teve uma boa postura defensiva e conseguiu encaixar bons contra-ataques. O comandante alvirrubro surpreendeu e entrou sem um centroavante de origem. Até teve chance de marcar mais gols, mas pecou na hora de concluir. Já a equipe gaúcha não perdoou e a ousadia no segundo tempo gerou na vitória.

A partida de volta está marcada para o próximo domingo, às 18h, no estádio dos Aflitos. O Náutico precisa vencer por dois gols de diferença fora de casa para garantir uma vaga na final da Terceira Divisão. Em caso de um triunfo por um gol de diferença, o Timbu terá que passar por uma nova decisão por pênaltis, já que na fase anterior garantiu uma vaga na Série B ao passar pelo Paysandu na disputa de penalidades. Um empate elimina os alvirrubros da competição.

Confira os gols na voz de Aroldo Costa, o Maior Gol do Mundo

O JOGO 

A partida começou bastante equilibrada com o famoso ritmo “lá e cá”. Tanto Náutico quanto Juventude exploraram as bolas alçadas na grande área. Com o passar da primeira etapa, os donos da casa começaram a colocar a bola no chão em busca de espaços na defesa alvirrubra. Porém, o sistema defensivo do Timbu estava compactado e suportou as investidas. Outro tática utilizada por ambos os times também foram os arremates de fora da área.

Apostando na velocidade no pelotão de frente, o Náutico sentiu a falta de um centroavante e não conseguiu segurar a bola no último terço do campo. Responsável por cadenciar o jogo, o meia Jean Carlos não conseguiu coordenar as ações do ataque. E Álvaro, Matheus Carvalho e Neto Pessôa não conseguiram realizar as triangulações necessárias.

 

Esperando um vacilo do adversário gaúcho, a equipe pernambucana não vacilou quando conseguiu encaixar a primeira jogada. Aos 38 minutos, o volante Jhonnathan apareceu no ataque como homem surpresa pelo lado direito e alçou a bola na grande área. O atacante Álvaro dominou e bateu de voleio na saída do goleiro Marcelo Cané.

A resposta do Juventude não demorou. Logo em seguida, o meia Renato Cajá recebeu próximo a meia lua da grande área e acertou a trave em um chutaço, que desviou no zagueiro Camutanga e quase engana o arqueiro Jefferson. Os gaúchos tentaram reagir rapidamente, mas não teve o sucesso. Como tem se destacado sob o comando de Dal Pozzo, o Náutico soube se comportar bem.

No segundo tempo, o Juventude voltou com todo gás do intervalo para buscar o empate e quem a virada. O Náutico não abaixou a guarda e continuou se defendendo bem. Em um lance de bola parada, os gaúchos quase empataram, mas o zagueiro Genilson desviou para fora, e além disso, estava em posição irregular.

Com mais uma nova atuação do sistema defensivo alvirrubro, os mandantes não conseguiam criar jogadas e foram forçados a cruzar a bola na grande área, como também arriscar de longe. Já o Timbu ameaçou duas vezes no contra-ataque. Primeiro, o atacante Matheus Carvalho recebeu o lançamento e de fora da área tentou de cobertura, mas Marcelo Carné realizou grande defesa. Depois, o meia Jean Carlos apareceu pela ponta esquerda e cruzou rasteiro para Álvaro, que completou e acertou no travessão.

E como diria o ditado, quem não faz leva. Aos 24, o zagueiro Fernando Lombardi não acompanhou o atacante Poveda, que foi lançado e saiu na cara do goleiro alvirrubro Jefferson. Com tranquilidade, bateu na saída do arqueiro e empatou a partida. O gol colocou fogo no estádio Alfredo Jaconi e o time gaúcho partiu para cima em busca da virada. O Náutico aguentou a pressão durante quase toda a partida. Mas, aos 48, o lateral-esquerdo Eltinho cobrou com categoria uma falta rente ao gol e virou a partida para o Juventude. A bola bateu no travessão, nas costas do goleiro Jefferson e morreu no fundo do gol.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.