Cremepe abre sindicância para investigar caso das mulheres que ficaram cegas depois de cirurgia de catarata


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 02/04/2012 às 8:15
Leitura:
Um conselheiro vai analisar, nesta segunda-feira (02), os motivos que deixaram quatro mulheres cegas de um olho no Instituto da Visão de Pernambuco, em Caruaru. O Conselho Regional de Medicina de Pernambuco tem cerca de 30 para apresentar um relatório com o laudo da investigação. As pacientes se submeteram a uma cirurgia, na última segunda-feira (26), e tiveram uma grave infecção hospitalar. Elas foram transferidas para o Hospital de Olhos de Pernambuco, Hope, no Recife, mas foi preciso retirar parte do conteúdo dos olhos. Os médicos do Hope solicitaram córneas à central de transplante de pernambuco, no entanto, a infecção já tinha se agravado. Em 15 dias deve sair o resultado de uma análise microbiológica realizada com uma substância viscosa colhida dos olhos operados. A presidente do Cremepe, Helena Carneiro Leão, explica como vai funcionar o processo da sindicância: As cirurgias no Instituto foram suspensas e, após inspeções, na sexta-feira (30), a vigilância sanitária de caruaru interditou o bloco. Seis pessoas passaram por cirurgia de catarata na segunda-feira (26) e, dessas, quatro tiveram infecção hospitalar. O Instituto da Visão de Pernambuco, em Caruaru, existe há mais de dez anos e realiza cerca de 80 operações por mês. O médico Renato Lira, sócio da unidade de saúde, deve se pronunciar sobre o caso ainda nesta segunda-feira. As quatro pacientes já receberam alta do Hospital de Olhos de Pernambuco, no bairro da Ilha do Leite. O gerente geral da Agência Estadual de Vigilância Sanitária, Apevisa, Jaime Brito, explica o que foi constatado na inspeção.

Mais Lidas