AGRESTE

Prefeito de Gravatá será julgado por demolição de pontilhão ferroviário tombado


A obra teria sido derrubada para melhorias no fluxo do trânsito; a prefeitura afirmou que "não tinha conhecimento que a obra era tombada"

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 23/07/2015 às 9:34
Leitura:
Foto: Reprodução / Bezerros Agora

A demolição de um pontilhão que fazia parte do conjunto arquitetônico de Gravatá, no Agreste do Estado, causou polêmica nacional nessa quarta-feira (22). A Procuradora da República, Natália Soares, abriu um inquérito contra o prefeito do município, Bruno Martiniano, para apurar se o gestor deve ser punido por improbidade administrativa pela demolição da obra, que era tombada.

A obra teria sido demolida para melhorias no fluxo do trânsito. Com a intervenção do Ministério Público, os trabalhos foram paralisados. A falta de diálogo foi o que mais irritou parte da população. O secretário de comunicação da prefeitura da cidade, Carlos Castanha, afirmou que a prefeitura "não tinha conhecimento que a obra era tombada pelo patrimônio nacional". Ele afirmou, ainda, que o local era "simplesmente um pontilhão".

Confira matéria completa na voz de Jaciara Fernandes, para a Rádio Jornal Caruaru:


Mais Lidas