Caruaru

Número de homicídios cresce mais de 200% em Caruaru, em relação ao mesmo período do ano passado


Só neste mês de agosto, já são 18 crimes de morte, contra 6 de agosto passado

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 27/08/2015 às 9:09
Leitura:
A polícia já desvendou o crime envolvendo a manicure. Foto: Reprodução / Internet

Mais dois homicídios foram registrados em Caruaru, no Agreste do estado. Foram 4 crimes de morte nas últimas 48 horas. Desta vez, uma mulher está entre as vítimas, a manicure Maria Adriane Lima da Silva, de 28 anos. Ela foi assassinada com 6 tiros de revólver quando trabalhava nesta quarta-feira, subindo para 11 o número de mulheres assassinadas no município de janeiro até agora.

O outro homicídio aconteceu no Sítio Lajes, tendo como vítima o costureiro de 21 anos, Celson Lúcio Figueiredo. O total de pessoas assassinadas este ano, é de 136, 3 a mais do que todo o ano de 2014, que foram 133 homicídios.

Só neste mês de agosto, já são 18 crimes de morte, contra 6 de agosto passado, representando um aumento de mais de 200% se comparado ao mesmo mês.

A polícia já desvendou o crime envolvendo a manicure. O marido da vitima, que está no Presídio Juiz Plácido de Souza, em Caruaru, se desentendeu com o também presidiário Rosivaldo dos Santos Martins, que foi transferido na última segunda-feira para a penitenciária de Limoeiro.

O delegado da Divisão de Homicídios, Marcio Cruz, comenta o caso. " A motivação é basicamente essa, houve o atrito, os detalhes não conseguimos apurar ainda, mas o mais importante é o que descobrimos: os mandantes e executores. Ele disse que ia se vingar, atribuiu a sua última transferência ao esposo da vitima, ele ameaçou, disse que ia fazer mal à vítima, e acabou se vingando em uma pessoa que não tinha nada a ver com a situação", disse.

A policia já identificou os dois executores do crime, mas não revelou nomes por seguir com as diligências para prendê-los, e também autuou o mandante do homicidio triplamente qualificado. "Motivo torpe, a traição e a emboscada, tornando impraticavel a defesa da vitima, e a outra qualificadora foi que ele trouxe risco para as pessoas da comunidade tendo em vista que a vítima foi morta dentro do estabelecimento dela com outras pessoas, e clientes que poderiam ter sido atingidos", explicou.

Confira o flash de Jaciara Fernandes:


Mais Lidas