INTERIOR

MST ocupa fazenda de Pedro Corrêa e nega que seja retaliação à denúncia contra Lula


O ex-deputado foi condenado pelo mensalão e é delator do escândalo da Lava-Jato. Lideranças do movimento devem pedir regularização do acampamento nesta segunda-feira (28)

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 28/09/2015 às 8:38
Leitura:
Foto: Blog de Jamildo

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) de Pernambuco deve dar entrada na documentação para poder ocupar fazenda do ex-deputado Pedro Corrêa nesta segunda-feira (28). A propriedade de 800 hectares fica no município de Brejo da Madre de Deus, no distrito de Fazenda Nova.

Parte do terreno já está sendo ocupada por cem famílias. Um dos diretores do MST-PE, Francisco Terto, disse à repórter Núbia Silva, da Rádio Jornal Caruaru, que a área só será desocupada se for comprovado que as terras foram compradas de forma legal.

Ouça a reportagem de Núbia Silva:

Foto: Arquivo/JC Imagem

Pedro Corrêa, de 67 anos, foi deputado federal e presidia o Partido Progressista (PP) quando foi denunciado pelo escândalo do mensalão. Em 2012, foi condenado a sete anos e dois meses de prisão, além de multa de R$ 1,13 milhão. Ficou preso no Presídio da Papuda, no Distrito Federal, e agora é delator da Operação Lava-Jato, que investiga esquema de corrupção na Petrobras.

Neste fim de semana, a revista Veja publicou matéria revelando o conteúdo do depoimento do ex-deputado ao juiz Sérgio Moro, que coordena a Lava-Jato. De acordo com a publicação, Pedro Corrêa disse ao magistrado que o ex-presidente Lula sabia do esquema conhecido como petrolão. Ao saber da ocupação, o advogado Clóvis Corrêa acusou os sem-terra de fazer uma retaliação à denúncia feita pelo primo.

Em entrevista ao comunicador Geraldo Freire, no programa Passando a Limpo, o líder do MST em Pernambuco e integrante da Coordenação Nacional do movimento, Jaime Amorim afirmou que a ação não foi tomada por causa da denúncia, mas sim porque a propriedade é improdutiva. Ainda segundo Jaime, o ato foi planejado antes de a revista ser publicada.

Ouça a entrevista:

Confira o Passando a Limpo completo:


Mais Lidas