LONGA VIDA

Polícia Federal investiga empresas suspeitas de adulterar leite produzido no Agreste Pernambucano


Foram encontrados na composição elementos como soda cáustica, urina, água oxigenada, álcool etílico e até a bactéria causadora da meningite.

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 04/12/2015 às 6:50
Leitura:
Imagem ilustrativa: reprodução/internet


Nesta sexta-feira (4), a Polícia Federal realiza a Operação Longa Vida, que pretende combater fraude na adulteração do leite e de produtos derivados produzidos em empresas do Agreste Pernambucano. Estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão em empresas ligadas a produção de leite industrial e vários mandados de condução coercitiva.

A operação começou depois de que uma fiscalização do Ministério da Agricultura nas cidades de Bom Conselho, Pedra e Bom Jardim e São Bento do Una, todas no Agreste Pernambucano, identificar irregularidades na produção do leite. O Ministério também está investigando as empresas, que não tiveram seus nomes divulgados.

Após perícia, ficou constatado que os produtos tinham sido adulterados. Além da água em excesso, foram encontrados na composição do leite elementos como soda cáustica, urina, água oxigenada, álcool etílico, sacarose, ácido lático e até a bactéria causadora da meningite. A adição dos insumos prejudica a saúde dos consumidores e pode ser considerado crime contra a saúde pública.

De acordo com o chefe de comunicação da Polícia Federal em Pernambuco, Giovanni Santoro, a ação investiga a participação de funcionários do Ministério da Agricultura envolvidos no esquema criminoso. "Esses funcionários públicos poderiam estar envolvidos ou fazendo vista grossa", diz Giovanni.


Mais Lidas