VIOLÊNCIA

Sete dias depois, caso da garota Beatriz continua sem solução em Petrolina


A menina foi morta com golpes de peixeira durante festa de encerramento do ano letivo do Colégio Auxiliadora

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 17/12/2015 às 9:18
Leitura:
Foto: Reprodução/Whatsapp

Foi realizada nesta quarta-feira (16) a missa de sétimo dia da garota Beatriz Angélica Mota, de apenas sete anos, que foi encontrada morta a golpes de faca dentro do Colégio Maria Auxiliadora, na cidade de Petrolina, no Sertão do estado. A celebração reuniu familiares, amigos e a comunidade escolar onde o corpo da garota foi encontrado e, até agora, o caso continua sem solução.

Beatriz é filha do casal Lúcia e Sandro Romilton, que é professor de inglês do colégio. Eles são moradores da cidade de Juazeiro, na Bahia e a criança,que não era aluna da unidade, participava com os pais da festa de encerramento do ano letivo, quando foi encontrada morta numa sala onde são armazenados equipamentos esportivos, no último dia 10.

Pai de alunos do colégio, o vereador Alvorlande Cruz fez um apelo à população para que colabore nas investigações, com informações, imagens ou qualquer material que ajude a solucionar o caso. Ouça abaixo:


Mais Lidas