SERTÃO

Após 11 dias, caso Beatriz ainda continua sem solução


A Polícia Civil disse que só vai se pronunciar após a elucidação do caso

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 21/12/2015 às 9:02
Leitura:
Foto: Reprodução/Whatsapp

Passados 11 dias, continua sem solução o caso da garota Beatriz Angélica Mota, de apenas sete anos, que foi encontrada morta a golpes de faca dentro do Colégio Maria Auxiliadora, na cidade de Petrolina, no Sertão do estado. O cabeleireiro Gutemberg Martins, que é primo de Beatriz, disse que a família não teve mais sossego desde a ocorrência do crime. Ouça abaixo, na matéria de Angela Santana:

Beatriz é filha do casal Lúcia e Sandro Romilton, que é professor de inglês do colégio. Eles são moradores da cidade de Juazeiro, na Bahia e a criança,que não era aluna da unidade, participava com os pais da festa de encerramento do ano letivo, quando foi encontrada morta numa sala onde são armazenados equipamentos esportivos, no último dia 10.

A Polícia Civil cancelou a coletiva de imprensa que estava marcada para divulgar o andamento das investigações e disse que só volta a se pronunciar quando elucidar o caso.


Mais Lidas