POLÍTICA

Interventor de Gravatá apresenta balanço dos dois meses de gestão


Em novembro do ano passado, o Tribunal de Justiça de Pernambuco afastou o prefeito da cidade, depois de pedido do TCE e do Ministério Público

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 18/01/2016 às 14:51
Leitura:
Interventor fica no cargo até o dia 31 de dezembro de 2016
Foto: Reprodução/ Internet

Apesar de reduzir as despesas em quase R$ 500 mil nos últimos dois meses, o município de Gravatá, no Agreste pernambucano, ainda apresenta alto grau de comprometimento das finanças. A cidade possui uma conta de R$ 86 milhões, a maior parte desse débito (72%) está relacionada à folha de pagamento dos servidores.

O balanço foi divulgado nesta segunda-feira (18) pelo interventor do município, coronel Mário Cavalcanti, que assumiu a gestão depois do afastamento do então prefeito da cidade, Bruno Martiniano, por irregularidades na administração.

O coronel detalha a dificuldade para equilibrar as contas. “Nós estamos com grande dificuldade no município que depende quase que totalmente de repasses do Governo Federal, tem um passivo muito grande e que tá contabilizado na ordem de R$ 86 milhões. Um município que arrecada, por ano, em torno de R$ 90 milhões, foi o que ocorreu em 2015”, disse.

Confira na reportagem de Lélia Perlim:

Em novembro do ano passado, o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) afastou o prefeito da cidade, depois de pedido do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e do Ministério Público. Os órgãos denunciaram irregularidades como fraudes em licitações, falsificação de documentos e desvio de dinheiro do INSS e do imposto de renda pagos pelos funcionários da administração municipal.

O interventor de gravatá, que assumiu após indicação do governador Paulo Câmara, relata quais as medidas que vem sendo adotadas para reduzir gastos. “Economizamos R$ 485 mil. Para um município como Gravatá, que tem uma arrecadação reduzida é muito. Reduzimos os contratos temporários, cargos comissionados que não atendiam a necessidade da prefeitura. Só vamos deixar aqui o pessoal que for necessário”, contou.

O município vai dar início a um plano de execuções tributárias com o objetivo de dar vazão aos 14 mil processos acumulados na comarca. A partir de fevereiro, os contribuintes vão ser chamados para quitar os débitos com o IPTU. A intenção é melhorar a arrecadação da cidade. O coronel Mário Cavalcanti permanece a frente do município de gravatá como interventor até 31 de dezembro.


Mais Lidas