DEMISSÕES

Usina em Timbaúba, na zona da Mata Norte, demite 2000 trabalhadores antecipadamente


A expectativa era de que a moagem da cana se estendesse até fevereiro, mas com as secas do último ano, quatro das seis usinas da zona da Mata já encerraram as atividades

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 19/01/2016 às 15:18
Leitura:
Foto: Reprodução internet


Dois mil trabalhadores da Usina Cruangi, em Timbaúba, na zona da Mata Norte, foram desligados dos postos de trabalho antecipadamente. O número representa metade dos empregados na cadeia agroindustrial do local e foi divulgado pela cooperativa de fornecedores de cana do estado.

A expectativa era de que a moagem da cana se estendesse até fevereiro, mas com as secas do último ano, quatro das seis usinas da zona da Mata já encerraram as atividades. Apenas as Usinas Olho d’água e Petribu continuam em funcionamento. Segundo o diretor de política salarial da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Pernambuco, Fetape, Gilvan Barroso, a esperança é de que os trabalhadores demitidos sejam inseridos no programa Chapéu de Palha a partir de março. “Para os trabalhadores não é uma boa situação, o que está previsto é que a usina pague as rescisões e que eles tenham acesso ao programa Chapéu de Palha”, disse.

Insatisfeitos com a falta de subsídios por parte do Governo Federal, produtores de cana do Nordeste pretendem realizar um protesto contra a presidente Dilma Rousseff na próxima quinta-feira (21) durante visita dela ao Recife, como relata o Presidente da União Nordestina dos Produtores de Cana, Unida, Alexandre Lima. “A gente está organizando uma mobilização contra a presidente na inauguração da Via Mangue. Ela nos prometeu que daria uma reposta e não cumpriu”, afirmou.

Ainda segundo a unida, a expectativa é de que Pernambuco chegue a moer 12 milhões de toneladas de cana este ano, três milhões a menos do que em 2015.

Confira a reportagem de Lélia Perlim:


Mais Lidas