Pais registram voluntariamente filhos e dão exemplo de cidadania

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 15/08/2011 às 13:02
Leitura:

O jovem Marcos Antônio, de 19 anos, aproveita mutirão para reconhecer paternidade de filho. Foto: Rafael Souza

No folclore popular uma expressão, de gosto duvidoso, é constantemente usada na comparação entre pai e mãe: “pai é qualquer um”. Além de preconceituosa, esse juizo de valor é perigoso, pois dimunui o papel do pai em uma sociedade que sofre com o elevado número de pessoas que não tem a filiação parterna na Certidão de Nascimento.

Segundo o Censo Escolar 2009 do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), mais de 5 milhões de crianças de todo o país não foram registradas pelo pai. Em Pernambuco, esse número passa dos 300 mil. O problema é grave, uma vez em que pesquisas comprovam que grande parte dessas crianças sofrem na infância e chegam, em alguns casos, a apresentar déficit escolar.

Tentando reverter essa situação, uma parceria entre a Corregedoria Geral de Justiça de Pernambuco, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), a Secretaria de Criança e Juventude do Governo do Estado e a Associação das Mães Solteiras de Pernambuco (Apemas), e outros orgãos, lançaram a Campanha “Seja herói do seu filho”, que engloba uma série de ações para incentivar o reconhecimento voluntário de paternidade no estado.

Mutirão teve como principal polo o Fórum do Recife, no bairro da Joana Bezerra. Foto: Rafael Souza

Autoridades e público presentes ao Fórum Joana Bezerra. Foto: Rafael Souza

Entre as ações, em destaque, foi realizado um mutirão onde foi possível reconhecer a paternidade gratuitamente, entre os dias 08 e 10 de agosto, no Fórum do Recife, Defensoria Pública de Olinda e nos presídios do estado. Aproveitando o Dia dos Pais e o acontecimento do mutirão, a Rádio Jornal foi aos mutirões, falou com pais, mães e autoridades que participaram da ação.

Com o título “Pai Legal”, a reportagem especial, dividada em duas matérias, abordou o drama de quem não tem o nome do pai no registro, os problemas que isso pode acarretar na infância, na escola, o que fazer para registrar, a diferença entre registrar e reconhecer a paternidade. Aborda também o mutirão dentro dos presídios, com a história do presidiário Egleibson da Silva, que mesmo dentro do presídio de Igarassu, na Região Metropilitana do Recife, teve o prazer e o orgulho de registrar sua filha.

A série especial é uma reportagem de Camila Brandão e Everson Teixeira, com produção de Karla Oliveira e Rafael Souza e coordenação de Carlos Morais, e os trabalhos técnicos de Tony Vasconcelos. A série foi exibida entre sexta (12) e sábado (13) no programa Redator de Plantão, exibido às 6h30 na Rádio Jornal. O Blog dos Bastidores traz a matéria, as fotos e os vídeos que você confere a seguir.

A campanha firmou meta de 3 mil registros durante a campanha. Na imagem, os primeiros casais que compareceram para registrar os filhos. Foto: Rafael Souza

A repórter Karla Oliveira entrevista a secretaria estadual da Criança e da Juventude, Raquel Lyra. Foto: Rafael Souza

Desembargador Bartalomeu Bueno veste boné da campanha "Seja o herói do seu filho". Foto: Rafael Souza

Marli Silva, presidente da Associação das Mães Solteiras (Apemas), uma das organziadoras da campanha. Foto: Rafael Souza

Marcos Vinícus e Ana Paula, primeiro casal a registrar a filha na cmapanha 2011. Foto: Rafael Souza

Mais Lidas