Assembleia Legislativa cercada na Bahia. Nº de mortes chega a 87 no estado


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 06/02/2012 às 11:53
Leitura:
Da Rádio Jornal, com informações do NE10 Por volta das 6h desta segunda-feira (6), aproximadamente 600 homens do Exército Brasileiro e da Força Nacional cercaram a Assembleia Legislativa da Bahia, que está ocupada desde a última terça-feira (31) por policiais militares que entraram em greve. A operação, que conta ainda com a presença de companhias especiais da PM baiana, foi motivada por uma solicitação do presidente da Assembleia, Marcelo Nilo. Os objetivos das Forças Armadas são isolar a área para permitir o livre acesso da população ao centro administrativo da Bahia; cumprir mandados de prisão de policiais grevistas; e negociar para que haja a desocupação do espaço. Helicópteros sobrevoam a região durante as atividades, que mais parecem uma operação de guerra. Tanques do Exército percorrem o local desde às 9h (horário de Brasília). Familiares e outros grevistas estão fora do cerco montado pelo Exército. Eles tentaram furar o bloqueio, mas foram reprimidos com tiros de bala de borracha e spray de pimenta. Alguns foram feridos na barriga, nos pés e nos braços. A reportagem do NE10/Bahia chegou a ser atingida por spray de pimenta durante o confronto. Já passa de 87 o número de mortos na Bahia depois de greve da PM Centenas de policiais continuam dentro da Assembleia. Entre eles, Marco Prisco, presidente da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), que deu início ao movimento grevista. Durante a manhã desta segunda-feira (06), o correspondente do NE10 na Bahia, Gustavo Maia, conversou ao vivo por telefone com Geraldo Freire, apresentador da Super Manhã da Rádio Jornal, e falou da situação em Salvador, nas proximidades da Assembleia Legislativa baiana. Foram duas entrevistas, a primeira por volta das 9h e a segunda perto das 11h. Acompanhe os relatos do repórter abaixo.

Mais Lidas