Morte de criança de dois anos por picada de escorpião assusta moradores de Aguazinha

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 27/04/2012 às 10:10
Leitura:
Do Redator de Plantão Atualizada às 11h11

José Eraldo Alves de Andrade, de apenas dois anos de idade, estava no sofá na sala de casa, no bairro de Aguazinha, Olinda, Grande Recife, quando foi atacado por um escorpião e, em poucos segundos, passou mal. Ele chegou a ser socorrido por um vizinho até um posto de saúde próximo e depois encaminhado até o Hospital da Restauração (HR), área central do Recife. Ao dar entrada no Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox do HR), o menino apresentava vômito com sangue. A morte encefálica foi confirmada nesta quarta-feira (25) a família decidiu doar os órgãos para transplante. O falecimento de José Eraldo Alves de Andrade assustou os moradores da Aguazinha já que é comum encontrar escorpiões no local. A grande quantidade de entulhos e o saneamento básico deficiente são apontados pela comunidade como fator que contribuiu para o problema. A mãe do menino, a dona de casa Rosinete da Silva. explica que não teve como evitar o mal maior ao filho: A repórter Karoline Fernandes, da Rádio JC/ CBN, esteve, na manhã desta sexta-feira (27), no sepultamento do garoto, realizado no Cemitério de Beberibe, em Olinda. Vômitos, náuseas e alteração da pressão sanguínea são alguns dos sintomas da picada de escorpião. Quando a vítima for uma criança a recomendação é levá-la de imediato para o Centro de Assistência Toxicológica Ceatox do HR, no Derby. Um telefone importante para orientar as pessoas sobre o assunto é o 0800 722 6001. No ano passado, foram registrados em Pernambuco 5.237 ataques de escorpião. A Secretaria de Saúde de Olinda enviou uma equipe técnica até a estrada de aguazinha e confirmou o problema. A dedetização será realizada nesta sexta e as famílias têm que deixar as residências por no mínimo seis horas. Centro de Vigilância Ambiental do município disponibilizou o telefone 3301 5228 para orientar os moradores. Francisco Duarte, coordenador estadual de vigilância ambiental, diz que é importante ter cuidado:

Mais Lidas