Moradores do Ibura com medo da chuva


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 09/05/2012 às 12:47
Leitura:

Por Fabio Jardelino Especial para a Rádio Jornal

O projeto Rádio do Povo, da Rádio Jornal, contempla, esta semana, a comunidade do Ibura de baixo, no Ibura, Zona Sul do Recife. Essa é a oportunidade que os moradores têm para participarem dos cursos gratuitos de cozinha experimental - Panela de Barro - e o curso de pintura imobiliária, oferecido pelas Tintas Iquine. É também a chance para a população  reclamar sobre os problemas enfrentados diariamente na região.

Aproveitando essa oportunidade, o líder comunitário da Vila do Sesi, no Ibura de Baixo, Erasmo da Silva, alerta aos governantes sobre a situação dos canais que cortam o bairro. "Basta chover 20 minutos por aqui, que esse canal transborda. Imagina quando chegar a chuva mesmo, no inverno? O esgoto está todo entupido", reclama Erasmo. Outro morador, Antônio Maxado, afirma que na Avenida principal, a Av. Dois Rios, na qual passam 19 linhas de ônibus, o nível da água sobe em quase um metro, invadindo casas e comércios, nos períodos mais fortes de inverno. Ainda sobre o problema estrutural no bairro, o predreiro Carlos Luna da Silva, 48 anos, reclama da descontinuidade da rua onde mora. Lá, a Rua Alvorada do Sul permanece há mais de 10 anos com uma improvisação. Ela, que é feita de paralelepípedos até a metade, acaba dando lugar à uma ponte improvisada, sobre o canal - que "transborda toda vez que chove", segundo Carlos. O agravante da situação é que esse trecho é por onde passam várias crianças, já que a escola da região é localizada ao lado dessa rua. A situação mais grave, porém, é da desempregada Edcleide Maria Tomas, de 39 anos. Ela mora na Rua Rio Prado, às margens do canal conhecido como Jagatá, e está assustada com a proximidade das chuvas. "Já perdi tudo que tinha ano passado com a forte chuva. Com o dinheiro que me restava, comecei uma reforma na minha casa, mas se chover como ano passado, perco tudo de novo, até o material de construção", critica Edcleide.


Mais Lidas