Saiba quem está por trás da mobilização que paralisou as obras da Refinaria Suape

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 20/08/2012 às 8:29
Do Redator de Plantão Atualizada às 10h43 A crise não é recente no ano passado, a campanha salarial também teve confusão e clima tenso. Um operário chegou a ser baleado no rosto e outros trabalhadores dizem ter sido ameaçados de morte. Este ano, quatro ônibus do transporte de funcionários foram incendiados durante os protestos. A paralisação das atividades no Complexo Industrial de Suape, no Cabo de Santo Agostinho, Grande Recife, teve início no dia 1º de agosto. Parte dos operários da construção pesada não aceita o acordo firmado entre o Sindicato Sintepav e o patronato. O movimento de lutas populares faz duras criticas a atuação da entidade que é vinculada a força sindical. O coordenador geral do MLP, Antônio Ramos, afirma que a base não quer mais ser representada pelo Sintepav: A justiça decretou a ilegalidade do protesto e autorizou o desconto dos dias parados nos salários. O Sintepav negociou um acordo com o patronato e parte da punição seria aplicada no ato da rescisão de contrato. Os mais de 50 mil trabalhadores não retornaram ao batente o que deve se repetir nesta segunda-feira (20). Enquanto isso, os prejuízos com a greve na Refinaria e na Petroquímica Suape ultrapassam os R$ 50 milhões. O secretário das relações de trabalho do ministério já está em Pernambuco para negociar um acordo. Procurado pela reportagem, o Sintepav diz não ter participado neste domingo (19) de qualquer encontro com Manoel Messias. O representante do governo federal promete ouvir todas as partes envolvidas no impasse em Suape. Antônio Ramos, coordenador do movimento de lutas populares, defende a convocação da federação nacional da construção pesada: A repórter Karoline Fernandes, da Rádio JC/CBN, esteve, na manhã desta segunda-feira (20), na Refinaria Suape, no Cabo, onde conversou com os trabalhadores, que iniciaram a semana com cartas de demissão nas mão e nenhuma intenção de trabalho sem resolução dos problemas trabalhistas que vem sendo enfrenteados.