Em partida eletrizante, do começo ao fim, Náutico bate o Atlético-GO por 2x0


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 29/09/2012 às 20:33
Leitura:
Do Blog do Torcedor  Em meio ao autoritarismo do árbitro Leandro Pedro Vuaden, que tentou calar um protesto justo e legítimo da torcida do Náutico, o time fez sua parte em campo e venceu o lanterna Atlético de Goiás por 2x0 neste sábado (29), nos Aflitos, no Recife. Os três pontos deram mais quatro posições aos alvirrubros, que saltaram para a décima colocação com 34 pontos. O time goiano segue sua marcha inexorável para a segunda divisão com os mesmos 20 pontos e a mesma situação: lanterna. O jogo começou antes do apito inicial justamente porque o responsável por soprar o citado instrumento resolveu arbitrar também sobre a torcida. Uma enorme faixa na arquibancada na cor preta e com letras brancas dizia: "Não irão nos derrubar no apito". Leandro Pedro Vuaden e seus auxiliares decidiram só iniciar o jogo quando o protesto silenciasse. O delegado do jogo junto a representantes da CBF e da Polícia Militar foram ao alambrado comunicar aos alvirrubros que sua liberdade de expressão seria tolhida. A torcida fez pé firme e começou uma queda de braço com direito ao estádio inteiro proferindo palavras nada agradáveis ao árbitro. Após 17 minutos os torcedores aquiesceram e recolheram a faixa. O jogo foi iniciado e menos de um minuto depois ela estava lá, desfraldada para quem quisesse ver. Com a bola rolando, o Atlético Goianiense facilitou a vida do Náutico por conta da incompetência de seu meio de campo em trabalhar a bola. Perdida com facilidade, ainda complicou a vida dos defensores, sempre correndo atrás dos atacantes alvirrubros para recompor a marcação. O problema do Náutico era o passe final. Kieza, Araújo e Rhayner não acertavam o pé. Até que, aos 18 minutos, muito provavelmente pela pressão da faixa, Vuaden errou e beneficiou os alvirrubros. Rhayner recebeu de Kieza e cortou para o meio. Ele adiantou demais a bola e deixou o pé direito atrás para tocar na perna de Reniê. O juiz marcou pênalti, que Kieza não desperdiçou. Em tempo, na hora em que a penalidade foi marcada, a faixa foi recolhida. Ficou monótono até os 40 minutos. Souza cruzou da direita. A zaga do Atlético não foi na bola. O goleiro Márcio foi mas era melhor não ter ido, pois falhou feio. E para complicar mais ainda a vida dele a falha foi na frente de ninguém menos que Kieza. E o K9 nem precisou saltar. Cabeceou para o gol vazio. Próxima partida do Náutico será contra o carioca Corinthians, no próximo sábado (06), também no estádio dos Aflitos, às 16h20. E você fica ligadinho na sua Rádio Jornal, aqui, pelo site (www.radiojornal.com), no Twitter @rdjornalrecife, no Facebook.com/rdjornal ou pela Rádio Jornal (780 AM) e Rádio JC/CBN (90,3 FM) você acompanha todos os lances dessa emocionante partida. » Ficha da partida: Público: 13.149 // Renda: R$ 215.275 Náutico: Gideão; Patric, Ronaldo Alves (Alison), Jean Rolt e Douglas Santos; Elicarlos, Martinez (Josa), Souza e Rhayner; Kieza (Reis) e Araújo. Técnico: Alexandre Gallo. Atlético-GO: Márcio; Marcos, Gustavo, Reniê e Diego Giaretta; Dodó (Marino), Pituca, Ernandes e Danilinho; Diogo Campos (Watchman) e Patric (Alexandre). Técnico: Arthur Neto. Local: Aflitos/Recife/PE. Árbitro: Leandro Pedro Vuaden. Auxiliares: Alessandro A. Rocha de Matos e Emerson Augusto de Carvalho, todos da Fifa. Gols: Kieza, aos 18' e 40' do primeiro tempo. Cartões amarelos: Martinez, Rhayner e Marcos.

Mais Lidas