Polícia Civil esclarece morte de jovem que usou suplemento proibido no país


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 25/10/2012 às 15:33
Leitura:
Da Rádio Jornal

A Polícia Civil de Pernambuco apresentou nesta quinta-feira (25) a conclusão do caso de Wilson Maurício de Saraiva Sampaio Filho, de 18 anos, morto depois de consumir um suplemento alimentar proibido no Brasil. Apesar dos laudos parciais do Instituto de Criminalística e do Instituto de Medicina Legal (IML) não encontrarem no corpo do rapaz vestígios do produto comercializado irregularmente em academias de ginástica, o Jack 3 D, as investigações apontaram que o composto foi oferecido pelo instrutor de academia de Wilson. José Dirgival Cavalcanti Junior está em liberdade e se livrou da acusação de homicídio. O instrutor foi indiciado e vai responder pelos crimes contra relação de consumo e contra a saúde pública e pode pegar de 3 a 8 anos de reclusão. Saiba mais na reportagem de Rafael Carneiro, da Rádio Jornal

Mais Lidas