Integrantes de grupo de extermínio em Jaboatão dos Guararapes vão a julgamento


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 29/10/2012 às 7:55
Leitura:
Do Redator de Plantão Atualizada às 11h35 Nesta segunda-feira (29), começa o julgamento dos 31 integrantes de uma organização criminosa desarticulada pela Operação Guararapes, entre os anos de 2008 e 2010. Eles são acusados de homicídios, tentativas, tráfico de drogas, associação, comércio ilegal de armas e corrupção passiva. Dos 31 réus, mais de dez respondem ao processo em liberdade, graças a habeas corpus concedidos pela própria justiça estadual. Para a polícia, 39 pessoas estavam envolvidas no grupo de extermínio sediado no bairro de Prazeres. Uma grande estrutura está sendo montada para o julgamento que começa hoje no fórum de Jaboatão e deve durar dez dias. A juíza Inês Maria de Albuquerque vai abrir a sessão às 9h10 da manhã com a convocação do promotor, advogados e jurados. Além dos réus, foram convocados Alex Antônio da Silva e Paula Adriele Firmino, sobreviventes de um crime. Para o primeiro dia, as atenções estão voltadas para o policial militar Flávio Braz de Souza, apontado como líder do grupo. Também vão se sentar no banco dos réus, André Franklin da Silva Ribeiro, José Hamilton da Silva Junior, Claudemir Ribeiro Batista, Joab de Lima Alves, Webson Joaquim da Silva, Zenaldo Luiz da Silva e Milton Macedo Magalhães. Na época da operação Guararapes, Oswaldo Moraes, hoje chefe da polícia, era o diretor de operações. Ele fala da periculosidade do grupo: O julgamento tem previsão de durar dez dias. O advogado de Flávio Braz de Souza, um dos réus, afirma que vai tentar adiar o início pela falta de tempo para estudar o caso. O repórter Rafael Carneiro esteve no Fórum de Jaboatão dos Guararapes, em Prazeres, e conversou com o advogado. Confira a reportagem completa: Rafael Carneiro acompanhou também o início do julgamento.

Mais Lidas