Protesto dos estudantes marca primeiro dia útil do reajuste das passagens de ônibus


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 07/01/2013 às 7:30
Leitura:
Do Redator de Plantão Atualizada às 11h onibus_interna Protesto dos estudantes e dos movimentos sociais marca primeiro dia útil do reajuste das passagens de ônibus. Se você não utilizou o transporte coletivo neste domingo (06) é bom ficar atento a quantidade de cédulas e moedas no bolso ou carteira. Novidades da manhã desta segunda-feira (07) no flash do repórter Rafael Carneiro, da Rádio Jornal: Neste domingo, entrou em vigor os novos valores cobrados nas 18 empresas que operam no Grande Recife. O anel A passa para R$ 2,25, o anel B R$ 3,45, o anel D R$ 2,65 e o anel G R$ 1,50, sendo que: nos domingos as tarifas A, D e G custam R$ 1,15 e a B R$ 1,75. A passagem da linha Aeroporto Opcional agora é R$ 2,80, e a Candeias Opcional R$ 4,20. Recife Porto de Galinhas R$ 7,50, e Cabo Porto de Galinhas e Gaibu Barra de Jangada Paiva R$ 4,20. Recife Porto de Galinhas Opcional R$ 11, e Recife Porto de Galinhas via Imip nos Coelhos R$ 6. O movimento estudantil não aceita o reajuste nas tarifas de ônibus e promete iniciar, nesta segunda-feira (07), um calendário de atividades. ONIBUS03_INTER_OK Imagem de antiga mobilização O ponto de partida está marcado para a manhã desta segunda, em frente ao antigo Ginásio Pernambucano, na Rua do Hospício, na Boa Vista, área central da cidade. A expectativa é de que os manifestantes saiam em passeata pelas principais ruas e avenidas do Centro do Recife. Um documento reivindicando a imediata anulação do reajuste será entregue ao Ministério Público Estadual. Na terça-feira (08), os estudantes devem discutir estratégias com os integrantes do comitê contra o aumento das passagens. No dia seguinte, um grupo de alunos participa de uma mobilização na frente do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), o antigo Cefet, na Cidade Universitária, Zona Oeste do Recife. Davi Lira, presidente da União dos Estudantes Secundaristas de Pernambuco afirma que o povo não pode pagar a conta: ONIBUS02_INTER_OK Imagem de antiga mobilização Como era de esperar, o reajuste nas tarifas de ônibus não tem o apoio dos cerca de dois milhões de passageiros. As críticas são direcionadas a qualidade do serviço, tido como muito aquem dos valores cobrados. As queixas mais frequentes estão relacionadas a quantidade de coletivos em circulação, sobretudo nos horários de pico. A professora Cecília Maria diz que o reajuste das passagens acaba neutralizando o novo valor do salário mínimo: Mais de três mil ônibus circulam diariamente na Região Metropolitana do Recife em 26 mil viagens. O Grande Recife Consórcio de Transporte, órgão que gerencia o sistema, informa que são 390 linhas. Procurados pela reportagem da Rádio Jornal, os usuários do serviço reivindicam veículos climatizados. O motorista Jairo Antônio diz que é caro pagar por um deslocamento demorado e desconfortável:

Mais Lidas