Polícia investiga de que arma saiu a bala que matou criança durante tiroteio


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 07/05/2013 às 16:07
Leitura:
Da Rádio Jornal menino_morreu_hr_INTERNA Foi liberado do Instituto de Medicina Legal do Recife na tarde desta terça-feira (07) o corpo do menino Klebson da Costa Gomes, de 10 anos, vítima de uma bala perdida em um confronto entre traficantes e policiais militares. O crime ocorreu no bairro do Jordão Baixo, na Zona Sul do Recife  na noite da última segunda-feira (06). Vizinhos e familiares estão inconformados com a tragédia que encerrou a vida de um jovem inocente. No local do crime manchas de sangue e marcas de perfurações de balas apresentavam os detalhes do sofrimento da família. Após um longo tiroteio, dois criminosos foram presos: Adoniram da Silva Clemente, de 20 anos, e José Henrique dos Passos, 21 anos, que confessaram em depoimento a participação na troca de tiros. O delegado titular do Departamento de Homicidios e Proteção a Pessoa, João Brito, fez o flagrante do caso e apresenta as investigações iniciais. foto_interna Com os bandidos foram apreendidas 53 pedras de crack, R$ 111, 3 revolveres calibre 38 e 16 munições sendo destas, 11 deflagradas. As armas dos policias foram coletadas e passam por perícia, que tem resultado previsto para sair em 10 dias. O laudo também vai definir de onde partiu o disparo. LEIA TAMBÉM - Menino de 10 anos morre depois de ser atingido durante tiroteio entre policiais e bandidos Ainda de acordo com o delegado João Brito, outros três homens participaram da ação, mas fugiram. Os dois capturados foram encaminhados para o  Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife, e respondem por tráfico de drogas, tentativa de homicídio e homicídio qualificado. De acordo com a família da vítima, a cerimônia de enterro ocorre nesta quarta-feira às 11h, no cemitério de Santo Amaro, na area central do Recife. Ouça, na reportagem de Rafael Carneiro, da Rádio Jornal, o depoimento da tia do menino e a entrevista com o secretário de Defesa Social, Wilson Damázio

Mais Lidas