Longas filas e muita reclamação no primeiro dia após o fim da greve dos bancários


Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 14/10/2013 às 14:42
Leitura:
Da Rádio Jornal Atualizada às 15h26

Na esperança de conseguir o tão esperado atendimento, muitos clientes acordaram cedo e formaram filas em frente as agências bancárias na capital pernambucana, na manhã desta segunda-feira (14).

Com o retorno das atividades bancárias, quem tinha contas em atraso, ou precisava fazer algum saque, chegou animado. Nas agências da Caixa Econômica, o horário de atendimento iniciou às 8h devido ao acordo trabalhista firmado entre funcionários e banqueiros.

Com isso, a instituição registrou as maiores demandas. O Bolsa Família, o INSS e o seguro desemprego puderam ser retirados, mas a tarefa não foi fácil.

As agências da Caoxa Econômica Federal abrem às 8h nesta segunda (14). Foto: Rafael Carneiro/ Rádio Jornal As agências da Caixa Econômica Federal abriram às 8h nesta segunda (14). Foto: Rafael Carneiro/ Rádio Jornal

A dona de casa Irinete Alves, acompanhada dos dois filhos, de 9 e 6 anos, esperava o início do atendimento para receber o auxílio reclusão do marido. Em conversa com os clientes, eles comemoraram o fim do movimento, mas reclamaram do pagamento de juros, para contas em atraso.

De acordo com Procon-Pernambuco, mesmo com a greve os pagamentos teriam que ser efetuados, já que as unidades financeiras disponibilizam outros meios.

O repórter Rafael Carneiro, da Rádio Jornal, traz essas e outras informações na matéria:

Em Casa Forte, na Zona Norte do Recife, o público ainda sofre para receber atendimento na tarde desta segunda-feira (14). Os clientes foram impedidos de entrar na agência, pois ela está com o sistema fora do ar e até o ar condicionado está desligado.

Foto: Ana Paula Figueiredo/ Especial para a Rádio Jornal Foto: Ana Paula Figueiredo/ Especial para a Rádio Jornal foto 2 Agência em Casa Forte ficou inoperante na tarde de segunda (14)
Foto: Ana Paula Figueiredo/ Especial para a Rádio Jornal foto 1 Clientes tiveram dificuldade para serem atendidos.

A repórter Ana Paula Figueiredo, traz esses detalhes:


Mais Lidas